Trilhos anatômicos e o Pilates

Como já falamos nas matérias anteriores, o estimulo neuromiofascial está em alta e o método Pilates tem já dentro do seu repertório original muita coisa que podemos explorar pensando em treinar a fáscia. Para tanto, dentro do raciocínio que eu e a Fernanda acreditamos e trabalhamos, é necessário um entendimento das linhas miofasciais citadas na matéria anterior.

Mas porque usar os meridianos miofasciais para reeducar o movimento dentro das aulas de Pilates?

O mesmo movimento pode ter vários objetivos, que variam de acordo com praticante, suas experiências , postura corporal e atitudinal.

Isso quer dizer que nós, profissionais do movimento, deveríamos levar em consideração a história de movimento de cada aluno, assim como o processo de desenvolvimento de aprendizagem motora.

Onde quero chegar? Não é o aluno que tem que se adequar ao exercício e sim nós que devemos selecionar o exercício/movimento ideal para cada aluno naquele dia, naquele momento. A criatividade é bem vinda, mas com cautela. Afinal, nem tudo que puxa mola é Pilates e nem tudo que explora multidireções é treinamento fascial.

PUBLICIDADE
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates

Podemos simplesmente repensar sobre o repertório do método Pilates original e avaliar:

Quais meridianos miofasciais prevalecem neste movimento?
Quais qualidades da fáscia este movimento estimula?
Que pilares do treinamento fascial predominam?

Desta forma já conseguimos encontrar excelentes exercícios que estimulam a miofascia (musculo + fáscia).

Nesta matéria vamos exemplificar alguns exercícios e o que acontece em cada um deles. Lembrando que não existe movimento de um trilho isolado, assim como num mesmo movimento podemos explorar mais de um pilar do treinamento fascial.

Vamos começar pelo nosso queridinho The Hundred:

Aqui vamos encontrar uma sinergia entre as Linhas Superficial Anterior e Posterior, mas grande evidência e desafio para tonificar a linha superficial anterior e a Linha Profunda Anterior, conhecida também como core miofascial. Dentro do repertório podemos fazer algumas adaptações para facilitar ou desafiar nossos clientes. Na foto abaixo temos a opção de deixar as pernas estendidas no solo (facilitando o movimento) e os pés em dorsiflexão para trazer mais presença da linha superficial anterior.

Logo em seguida temos a opção de deixar as pernas elevadas como o original (flexãoplantar) ou uma pequena adaptação deixando os tornozelos em dorsiflexão.

Já que as linhas Superficial Anterior e Posterior caminham juntas, vamos falar agora do Swan Dive.

Assim como muitos outros exercícios do Método Pilates, ele pode ser explorado no solo e em todos os equipamentos. No nosso raciocínio, estimula o deslizamento da Linha Superficial Anterior, enquanto tonifica a Linha Superficial Posterior.

Agora vamos falar das linhas mais divertidas e também desafiadoras: Linha Lateral e Linha Espiral.No repertório de solo temos algumas boas opções desde mais básicos aos mais desafiadores. Vamos começar pelo The Saw. Combina mais de um plano de movimento e por isso temos praticamente todas linhas trabalhando em sinergia.

A Linha lateral faz rotação da coluna e das costelas, a linha espiral cria rotações e movimentos em espiral, a linha superficial anterior tem função de flexionar a coluna, estender o joelho e dorsiflexão dos tornozelos, já a linha profunda anterior estabiliza e pode influenciar todas as linhas. Ufaaa!! Quanta coisa num único exercício, neh?! E olha que nem falamos das linhas dos braços hein!! Vamos falar disso num outro momento.

Pensado em aumentar o desafio vamos agora para o Side Bend, que estimula o tônus da linha lateral.

E para finalizar com chave de ouro, vamos para o Twist. Também envolve mais de um plano de movimento, combinando flexão lateral com rotação. Assim como o Saw, mas com um maior desafio para as linhas dos braços.

Te esperamos na próxima matéria!

Marcela Piston

Educadora Física, idealizadora do PILATES DANCE, treinadora do MOVE FLOW, full certification Stott Pilates, Anatomy Trains in Motion (Anatomy Trains), Slings Myofascial Training (Art of Motion), idealizadora da metodologia da Pilates Institute Internacional.