Quem tem pressão alta pode fazer Pilates?

As estatísticas apontam que um a cada cinco brasileiros são portadores de hipertensão arterial e, para este público, optar por uma atividade física de baixo impacto pode ser um bom caminho para manter a mente e o corpo em equilíbrio. O principal objetivo alcançado pelo hipertenso com a prática regular de Pilates é a união de uma atividade física que traz força, disposição e relaxamento ao mesmo tempo.

O praticante pode conquistar melhores níveis de consciência corporal e provavelmente, maior controle e eficiência sobre todo o trabalho respiratório, que contribui para que a pessoa mantenha-se mais calma e equilibrada.

Durante a atividade física ocorrem algumas mudanças na circulação para promover um maior aporte de oxigênio aos tecidos que estão em movimento e este aporte se produz graças ao esforço do coração que, durante o exercício, pode chegar a quintuplicar em comparação a uma situação de repouso.

As necessidades metabólicas que surgem durante a atividade física são compensadas mediante adaptações do sistema circulatório central e periférico, como o aumento da pressão arterial máxima, da frequência cardíaca,  a vasodilatação periférica e a diminuição da pressão arterial mínima. O organismo contrai as arteiras das regiões onde não se necessita um ato de aporte de oxigênio, por exemplo, nas vísceras. E dilata ao máximo as zonas de esforço, dos músculos das pernas e braços, que requerem o máximo de aprovisionamento de oxigênio.

Por isso é fundamental que o instrutor tenha noção e tome muito cuidado com a escolha e a intensidade de movimentos para cada cliente.

PUBLICIDADE
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates

Vale lembrar que as atividades físicas também ajudam no aumento do colesterol bom (HDL), na liberação de hormônios vasodilatadores (entre eles o óxido nítrico e a prostaglandina) que fazem com que haja um aumento no diâmetro dos vasos sanguíneos.

Mas sugiro alguns cuidados aos hipertensos durante a prática:

  • Evitar que a cabeça fique abaixo da linha do diafragma respiratório;
  • Não permanecer de forma prolongada com os braços acim da cabeça;
  • Também evitar que as pernas fiquem elevadas de forma estática por um período longo;
  • Muito cuidado com mudanças rápidas de posições. Permita que o corpo faça os ajustes e adaptações de forma calm;
  • Atenção a hiperventilações, expirações rápidas e forçadas e suspensão de respiração. Embora nenhuma delas sejam padrões do Pilates, alguns clientes podem modificar o ritmo respiratório para conseguir realizar um exercício;
  • Evite tombar a cabeça para trás, sem apoio e sem controle;
  • Exclua as posturas invertidas (de cabeça para baixo) do repertório;
  • Fique atento a sintomas como dor de cabeça, tonturas, cansaço, enjoo, falta de ar ou sangramento nasal, parando a prática ao sentir qualquer um destes relatos;
  • Nem todos os espaços de Pilates contam com uma estrutura para que o cliente possa aferir a pressão antes e depois da aula. Se existir esta possibilidade, aproveite para monitorar de forma mais segura a prática;
  • Se você for instrutor, relembre seu cliente da importância do acompanhamento médico e dos exames periódicos.

Boa prática. Pilates pode ser um caminho para a conquista da saúde. Até a próxima!

Ge Gurak
Educadora Física, especialista em programas de saúde
Coordenadora da TcPilates – Centro de Treinamento
www.tcpilates.com.br

PUBLICIDADE