Pilates para cuidadores de pacientes domiciliares

Ao ouvir queixas de lombalgias dos cuidadores de pacientes domiciliares, pensei em como ajudá-los. Em 2011, conheci o método Pilates e vi então, uma oportunidade de ajudar além das orientações que passava.

Em seu estudo, (Maia et al, 2008) mostrou que 70% dos cuidadores de crianças com paralisia cerebral apresentavam lombalgia. Com a crescente população idosa, onde cerca de 10% necessitam de alguma ajuda em suas atividades diárias e, 40% de ajuda nas atividades instrumentais (RIBEIRO et al, 2008), os cuidadores estarão sujeitos a sentir alguma dor na coluna.

A falta de um bom condicionamento físico, a má execução ao realizarem as mudanças de decúbitos e transferências junto a pacientes, pode justificar nos cuidadores alguns quadros dolorosos em suas colunas (RIBEIRO et al, 2008).

Um corpo flexível e com boa consciência corporal motora tem uma maior chance de controlar e evitar a dor relacionada a atividade laboral realizada pelo trabalhador. Pressupõe-se que o método Pilates seja capaz de melhorar a flexibilidade geral do corpo, o alinhamento postural e a coordenação motora, além do aumento da força muscular, o que demonstra uma relação direta com o processo de reeducação postural, melhora do controle motor e do recrutamento muscular (SINZATO et al, 2013).

Foram acompanhadas, num estudo que fiz, duas voluntárias, denominadas A e B. Voluntária A com 36 anos e voluntária B com 48 anos, que além de lombalgia crônica, apresentava dores nos joelhos. Ambas estavam acima do peso em relação ao IMC.

PUBLICIDADE
17 anos MetaLife - WAVE 2.0 a evolução da linha premium
Five de um UP no seu estúdio - 17 anos MetaLife
17 anos MetaLife - WAVE 2.0 a evolução da linha premium

Foram realizados pré-testes e pós-testes.

Para mensurar a flexibilidade da cadeia posterior foi realizado o (teste de sentar e alcançar no banco de Wells e Dillon); Resistência dinâmica dos flexores do tronco (teste de enrolamento repetido de tronco); Resistência estática dos extensores do tronco (teste estático de resistência das costas de Sorenson); Para dor subjetiva foi usado Escala Visual Analógica (EVA).

Para intervenção, foram realizados em dias alternados seis sessões de uma hora cada, divididas em aquecimento, exercícios e relaxamento no final. Os exercícios de solo foram:

1- The Hundred/ 2- The Roll Up/ 3- The One Leg Circle/ 4- Rolling Back/ 5- The One Leg Stretch/ 6- The Double Leg Stretch/ 7- The Spine Stretch/ 8- The Saw/ 9- The Swan (na bola)/ 10- The One Leg Kick/ 11- The Double Kick/ 12- The Scissors (adaptado, mantendo o tronco todo ao solo)/ 13- The Bicycle (adaptado, mantendo o tronco todo ao solo)/ 14- The Spine Twist/ 15- The Side Kick/ 16- Swimming/ 17- The Leg-Pull Font/ 18- The Side Bend/ 19- The Seal.

Veja os gráficos com os resultados:

Figura 1 – Teste de sentar e a alcançar no banco de Wells e Dillon
1Figura 2 – Teste de enrolamento repetitivo de tronco
2Figura 3 – Teste de resistência das costas de Sorenson
3Figura 4 – Índice de dor na Escala Visual Analógica (EVA)
4Apesar de terem sido realizados apenas seis sessões de Pilates, foi observado a melhora dos índices de flexibilidade, força e ainda nas dores crônicas lombares, tanto nas voluntárias A e B, e na voluntária “B” também nas dores dos joelhos.

Entretanto, a força e flexibilidade não atingiram os níveis considerados normais segundo os testes propostos, o que demonstra que seria necessário maior tempo de prática para estes voluntários, e não se pode ainda afirmar que tal índice seja alcançado, pois existem variáveis constitucionais físicas e comportamentais particulares, estas não investigadas neste trabalho.

Conclui-se que a prática de Pilates solo pode ser uma prática acessível, e seus praticantes levando a se beneficiarem ao executá-la no seu dia-a-dia, melhorando sua força, flexibilidade e dores lombares crônicas.

No entanto, este estudo teve uma participação muito pequena de indivíduos, onde apenas duas cuidadoras participaram, e não se pode afirmar que os resultados aqui encontrados seriam os mesmos em grupos maiores de participantes. Seria muito válido que ocorressem estudos com um maior número de voluntários e com grupos de controle duplo cego. Fica a sugestão de contínua pesquisa neste tema, que tem muito a colaborar para a saúde da população.

Thiago Corrêa Nepomoceno
Especialista em Home Care e instrutor de Pilates (crefito:169458-F)

PUBLICIDADE
17 anos MetaLife - Realizando Sonhos!
17 anos MetaLife - Realizando Sonhos!
Five de um UP no seu estúdio - 17 anos MetaLife