Pilates e Disfunções Temporomandibular 

A articulação temporomandibular é o processo condilar da mandíbula com o osso temporal,  do tipo sinovial bicondilar. Entre esses ossos há um disco formado por fibro-cartilagem.  

 

Muitas pessoas apresentam disfunções nessa estrutura, causadas por muitos fatores, entre eles: tensões musculares, overuse, desgastes na articulação, bruxismo, fraqueza muscular, apertar os dentes, alterações posturais, apoiar a mão na mandíbula, traumas, hábitos que forcem o deslocamento da mandíbula, algumas doenças, maus hábitos, falhas em adaptações odontológicas, problemas emocionais, entre outros.  

 Além disso, os fatores emocionais em decorrência da própria pandemia, uso de máscaras apertadas, trouxeram a piora em alguns casos de DTM. 

 Sintomatologia das disfunções temporomandibular 

PUBLICIDADE

cefaléia; 

dores na região do ouvido; 

dores na região de cabeça, pescoço e parte superior das costas; 

estalos e/ou dor ao abrir ou fechar a boca; 

ruídos como sensação de areia ao abrir/fechar a boca; 

zumbidos; 

limitação de abertura da boca; 

travamento da mandíbula; 

dor nos músculos de mastigação; 

dificuldade ao mastigar ou morder; 

inchaço do rosto; 

mudanças na mordida; 

mudança de posição dentária; 

desgaste dentário; 

retração gengival; 

deslocamento do disco articular; 

desgaste da articulação; 

entre outros sintomas. 

 Geralmente, há presença de mais de um desses sinais e sintomas.  

 Muito se estuda sobre diferentes formas de tratamentos. E já se sabe que mudanças na qualidade de vida e a prática de exercícios físicos pode ser um adjuvante nesse processo. Somando-se a isso a procura do tratamento adequado e específico para a disfunção. 

Como o Pilates pode ajudar

O Pilates é uma prática de controle de mente, corpo  e espírito, que beneficia muito os pacientes em sua completude. O método visa trabalhar a respiração, centralização, controle, precisão, concentração e fluidez durante a realização dos exercícios.  

Isso proporciona aos praticantes uma reeducação postural, relaxamento, controle muscular, melhora da qualidade de vida, aumento da flexibilidade, incremento do tônus muscular, diminuição de dores, entre outros.  

Alguns estudos apontam a prática como benefício para controle de ansiedade e dores articulares, que são decorrentes de nosso estilo de vida, cada vez mais estressante e recluso em nossos afazeres, nos quais o movimento do corpo torna-se esquecido ou banalizado.  

O trabalho de controle muscular de forma global traz consigo a diminuição de compensações em atividades de vida diária, fazendo com que se tire a sobrecarga de estruturas habitualmente usadas de forma errônea. É muito comum o apertar os dentes para realização de atividades de força, por exemplo. Podemos observar que mesmo indivíduos ativos, tendem usar disso para auxiliá-los nas atividades.  

Ademais, percebemos que a grande maioria das pessoas tem tendência de sobrecarregar a musculatura do pescoço em demasia, realizando a flexão e extensão de tronco, por exemplo, ou a permanência por longos períodos nessas posturas. 

Sendo assim, a estimulação do indivíduo para não compensação dessas estruturas, aprender a relaxar, alongar e fortalecer globalmente o corpo, faz com que se tenha resultados muito gratificantes com pessoas portadoras de DTMs. 

Anne-Rose Rezende Batista
Sócia do Instituto Golden Pilates e Fisioterapia
@institutogolden_ensino
@institutogolden_clinica

Fisioterapeuta – UFCSPA;
Pós-Graduanda em Acupuntura;
Auriculoacupuntura chinesa e francesa; 
Formação em Dry Needling;
Formação em Drenagem Linfática;
Formação em Liberação Miofascial;
Hidroterapia Aplicada às Patologias Neurológicas das Crianças;
Formação de Perito Judicial para Fisioterapeutas;
Formação em Pilates Clássico – Básico ao Avançado;
Formação em Pilates com Acessórios Clássicos;
Primeiros Socorros – Projeto SAMU Cidadão pelo NEP/SAMU-POA;
Formação em Quiropraxia Clínica Integrativa;
Formação em Ventosaterapia.

PUBLICIDADE