O Pilates e o bebê pélvico

Bebê pélvico = bebê sentado. E agora?

Se você é gestante, certamente já ouviu falar sobre o bebê pélvico. A gestação é um período da vida conhecido por trazer à cabeça das mulheres centenas de dúvidas. Então, é comum surgir uma preocupação quando se identifica que o bebê se encontra nessa posição pélvica dentro do útero. Geralmente, durante um ultrassom, a mamãe escuta: “hum, está sentado…”. E aí começa a insegurança:

? E se ele não virar?
? Vou ter que fazer uma cesariana?
? Quais as consequências?

Em primeiro lugar: com quantas semanas essa informação sobre o bebê estar pélvico é relevante?

Da esquerda para direita: bebê pélvico, bebê transverso, bebê cefálico

Segundo a OMS, de 3% a 4% dos bebês assume a posição pélvica (sentada na pelve) no final da gestação. Importante saber que é possível convidar o bebê a virar de cabeça para baixo, assumindo uma posição melhor para nascer, seja pelo parto normal ou pela cesárea.

Por que é importante a posição cefálica?

Quando o bebê não se encontra na melhor posição, tanto a mãe como o bebê podem sofrer algumas consequências, como por exemplo:

– a mãe pode vir a sofrer um desconforto maior na coluna;
– acarretar displasia no bebê (problema que afeta o encaixe perfeito do quadril);
– além de gerar morosidade na hora do parto.

PUBLICIDADE
Linha WAVE 2.0 estúdio completo, design exclusivo
Five de um UP no seu estúdio
Linha WAVE 2.0 estúdio completo, design exclusivo

Na maioria das vezes, o problema é a falta de espaço ou musculatura e ligamentos mais rígido e tensos na região da pelve, impossibilitando o movimento natural do bebê.

Ao longo da minha carreira tive a oportunidade de estudar várias técnicas para entender os diferentes aspectos das posições do bebê. Desenvolvi um método associado ao Pilates que utiliza a técnica crânio sacral para a movimentação natural intensionada do bebê.

A importância do Pilates

O Pilates, neste contexto, tem como objetivo trazer alongamento, flexibilidade dos ligamentos (incluindo o ligamento útero sacral), diminuindo a pressão dos órgãos e aumentando os espaços internos. Compartilho abaixo alguns exercícios para convidar esse bebê pélvico a virar. Quem executa é a gestante Maysa Molina C. Alves:

Ponte no Cadillac

Posição inicial:
Deitado de decúbito dorsal, a cabeça do lado oposto à barra e o quadril um pouco atrás da barra do Cadillac, conforme mostra a figura. Joelhos flexionados com os pés (metatarso) apoiados na barra torre. Coluna neutra e braços ao longo do tronco.

Movimento 1:
Inspire na posição inicial e expire estendendo os quadris e joelhos, empurrando a barra para o teto.

Movimento 2:
Articule a coluna vértebra por vértebra para subir o quadril, até manter um alinhamento da coluna. Faça uma respiração completa em cima e volte cada parte do corpo (quadril, coluna e joelhos).

Observação
Estamos trabalhando mobilidade da coluna e alongamento dos ligamentos da pélvis, para que o bebê sinta o espaço amplo. Importante não esquecer de uma respiração completa no movimento final.

Inversão na Chair

Posição inicial:
Ajoelhado na Chair, com o corpo estendido e os braços para cima, ao lado das orelhas.

Movimento 1:
Inspire, iniciando o movimento de sentar no calcanhar e deslizando os braços para o pedal.

Movimento 2:
Expire, empurrado o pedal em direção ao chão e dividindo o peso nas mãos e no joelho. Ao chegar no limite, faça um ciclo de respiração completa e retorne pelo mesmo caminho que realizou o exercício.

Observação
Para que se sinta mais segura e confortável, busque o apoio de uma segunda pessoa, especialmente de uma instrutora de Pilates habilitada. O exercício tem como fundamento deixar o bebê flutuante para que crie uma sensação de espaço na região pélvica. Repare que ao final de cada movimento existe uma pausa de respiração. Isso permite estimular o bebê pélvico a virar para a posição correta.

Gato na barra torre

Posição inicial
Em frente a barra torre, de joelhos, segurando a barra, com a coluna neutra e alinhada.

Movimento 1
Na inspiração role a coluna, empurrando a barra para frente, buscando sempre organizar da melhor forma possível o quadril e os ombros.

Movimento 2
Na expiração empurre a barra até que seu ombro esteja alinhado com suas mãos e sua coluna em 90 graus. Chegando ao final do movimento, faça uma respiração completa e retorne à posição inicial.

Observação
Melhora o movimento da região torácica da coluna vertebral, além de estimular a descarga alternada de peso.

Repare que ao final de cada movimento existe uma pausa de respiração. Isso Permite estimular o bebê pélvico a virar para a posição correta.

Natalia Lima
Terapeuta, Doula, Mentora de Gestante e Bailarina
@oficialnatalima
DRT 353-2006
CRTH-BR 6478
Proprietária do ESPAÇO TATVA

PUBLICIDADE
Linha Infinity 2021 Turbine seu estúdio
Linha Infinity 2021 Turbine seu estúdio
Five de um UP no seu estúdio