Pesquisar
Close this search box.

+80K

+390K

Pesquisar
Close this search box.

+80K

+390K

Dor na coluna pós-pandemia

Por: Adriana Rasera

A pandemia da Covid 19 alterou a rotina mundial, e devido ao isolamento social, as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa; crianças e adolescentes assistindo aulas on-line, adultos trabalhando em home office. Consequentemente, houve um aumento do sedentarismo.

No Google, a pesquisa pelo termo “dor nas costas” teve um crescimento de 76% desde o início da pandemia no Brasil, em março de 2020. Esse aumento pode estar relacionado ao isolamento social, onde as pessoas passaram mais tempo sentadas e se movimentaram menos do que o comum.

Para algumas pessoas, começar a trabalhar em regime Home Office ou estudar à distância, foram tarefas que passaram a ser realizadas através de muito improviso, pois a maioria das pessoas que trabalham fora de casa, não possuem móveis ergonômicos e estrutura e apropriada para a realização de atividades laborais dentro de seus lares.

Pelo fato de academias, parques e praias ficarem fechados por um longo período, houve um grande aumento no sedentarismo entre a população urbana. Além disso, muitas pessoas ganharam peso devido a fatores como a ansiedade, falta de convívio social e alimentação não-saudável. Esse aumento de peso, somado à fraqueza muscular, podem gerar dores na coluna.

A má postura no dia a dia, a sobrecarga na coluna devido ao aumento de peso corporal, o excesso de horas sentadas, a falta de atividade física, entre outros fatores, podem ser os responsáveis pelo aumento nas pesquisas sobre “dor nas costas” ou lombalgia – definida como dor, tensão muscular ou rigidez na região lombar.

Dor x Postura

O termo “postura” pode ser definido como sendo a posição ereta do ser humano, em equilíbrio com a ação da gravidade, gastando o mínimo de energia.

A má postura está ligada a uma curvatura inadequada da coluna, isso gera compensações erradas e dores. Quanto mais tempo ficamos em uma posição, maiores são as chances de “relaxarmos” nossa postura, por esse motivo, passar horas sentadas na mesma posição é um gatilho para a dor.

A fraqueza muscular também contribui para a má postura, pois, partindo do princípio de que nossa coluna é sustentada pelos músculos; se não houver força, não há sustentação, o que vai gerar dor também.

A literatura aponta que a lombalgia ocasionada pelos músculos abdominais fracos é o tipo mais frequente. Então exercícios voltados para o fortalecimento muscular do centro do nosso corpo são muito bem-vindos.

Pilates no alívio da dor na coluna

Tendo em vista que a lombalgia ocorre com maior frequência devido aos músculos fracos e rigidez na região, é necessário fortalecer os músculos ao redor da coluna.

O método Pilates já se mostrou bastante eficaz na melhora da lombalgia, pois ele é capaz fortalecer os músculos abdominais, aumentar a amplitude de movimento, aliviar tensões, melhorar o alongamento, corrigir postura, entre outros benefícios.

Os músculos do centro do nosso corpo são responsáveis pela sustentação e estabilização da coluna, sendo assim, é necessário incluir exercícios que vão trabalhar essa região de forma eficaz e segura.

Vários estudos apontam que o Pilates é um forte aliado para a melhora das dores na coluna, pois é um método completo, onde é possível trabalhar exercícios de flexibilidade, alongamento, fortalecimento muscular e melhora da postura.

5 dicas para quem fica muito tempo sentado

– Levante-se e caminhe durante o dia;

– Se possível, utilizar a ergonomia ao seu favor;

– Pratique atividade física;

– Faça alongamentos durante o dia;

– Fique sempre atento à sua postura.

Gostou das dicas da Adriana Rasera sobre dor na coluna pós-pandemia? Então compartilhe com outras pessoas e não deixe de comentar aqui embaixo!

Compartilhar:

Redes Sociais

Mais Populares

Receba as últimas atualizações

Seja dono do seu estúdio

Categorias

Destaques do mês

Confira nosso blog

BAIXE NOSSOS E-BOOKS gratuitamente

Sobre Nós
Um canal digital que fornece informações para a comunidade do Pilates, incluindo praticantes, instrutores, profissionais da saúde, profissionais de educação física, fisioterapeutas e estudantes.

FALE CONOSCO

Preencha o formulário abaixo, e em breve entraremos em contato!