Diástase e o tratamento com Pilates

Diástase – você sabe o que é?

Diástase – essa é uma palavra que no meio das gestantes e nas puérperias tenho escutado constantemente…

Como faço para prevenir a diástase? Eu vou ter diástase na gestação? E depois da gravidez vai voltar ao normal?
São tantos questionamentos e esse tem sido um assunto amplamente discutido no meio das mamães.

Então, o que acontece no corpo da gestante para ela desenvolver uma diástase?
Para responder essa  pergunta primeiro precisamos entender o que acontece com o corpo durante o processo de gestação.

Quando o corpo materno está carregando o bebê, acontece um relaxamento dos músculos do abdômen para comportar o útero em expansão, então ocorre o afastamento dos músculos abdominais e do tecido conjuntivo, sendo a principal causa de flacidez abdominal e dor lombar no pós-parto.

Esse afastamento pode chegar a 10cm entre um músculo e outro, isso se deve a fraqueza do abdômen, que fica muito esticado devido ao crescimento da barriga.

PUBLICIDADE
Estúdio + Mentoria MetaLife a Chave do Sucesso
Estúdio + Mentoria MetaLife a Chave do Sucesso
Estúdio + Mentoria MetaLife a Chave do Sucesso
Estúdio + Mentoria MetaLife a Chave do Sucesso

O tratamento para corrigir a diástase abdominal pode ser feito com exercícios, fisioterapia ou, em último caso, cirurgia, principalmente quando o afastamento é maior que 5 cm e os exercícios não foram eficazes de corrigir a situação.

O tratamento com Pilates

Um dos exercícios mais indicados no tratamento da diástase é o Pilates, porque ele previne e auxilia na recuperação. O método tem como prática contrair o transverso abdominal e as fibras inferiores do reto abdominal, fortalecendo-os, sem que haja pressão excessiva no reto abdominal. Além disso, a respiração do Pilates proporciona um melhor funcionamento dos músculos profundos, os quais ajudam a diminuir o distanciamento do músculo reto abdominal.

Portanto, para prevenir ou tratar a diástase, a melhor estratégia é estimular a ativação dos músculos profundos. Então segue alguns exercícios pensados nessa prevenção e tratamento. Sempre lembrando que è necessário uma autorização médica para as gestantes e as puerperias.

Três exercícios que ajudam a previnir e melhorar a diástase

Exercício 1 – Spine stretch 



Posição inicial
Sentado em uma posição de alinhamento neutro da pélvis, com as pernas de borboletas, com os pés unidos. Posicionar as mãos no tornozelo e cotovelos relaxados.

Movimento inicial
Na inspiração permaneça parada.

Movimento ativo
Na expiração inicie abaixando o queixo e arredondando a coluna , imaginando que está circulando uma bola no colo. Evite a movimentação da escápulas. Inspire parado e movimente-se na expiração.

Observação
– Use sempre a respiração no exercício, ela ajudará a fortalecer a musculatura profunda do abdômen e a prevenir, ou tratar, a diástase.
– Mantenha a pélvis no alinhamento neutro 

Exercício 2 – Afundo com bastão 

Posição inicial
Com um pé na frente do outro, afastados, bastão alinhado à coluna, fechando as costelas.

Movimento 1
Na expiração, flexione os joelhos, permitindo que o calcanhar saia do apoio. Inspire parado e estenda o joelho. Repita algumas vezes e troque a perna da frente.

Observação
– Mantenha o alinhamento da coluna e mantenha as costelas fechadas enquanto flexiona o joelho.
– Use a respiração ao favor do movimento para tratar ou prevenir a diástase.

Exercício 3 – Variação Single Leg Pumps e Footwork 



Posição inicial
Em pé, de frente para a Step Chair. Deixe um pé no pedal e o outro no solo. Coluna neutra natural, braços estendidos e segurando uma toning ball.

Movimento 1
Pressione o pedal para baixo, estendendo o quadril e o joelho enquanto expira. Ao mesmo tempo eleve os braços em direção a cabeça.

Movimento 2
Lentamente, com controle, retorne à posição inicial, inspirado. Cuidando da perda do controle da pélvis (para que o trabalho para a diástase seja efetivo). Pense no alinhamento da coluna e no fechamento das costelas.

Observação
Lembre da coordenação e do controle do quadril e da cintura escapular.
– Nesse movimento lembre de ativar os músculos profundo do tronco.
– O pé precisa estar levantando!

Natalia Lima
Terapeuta, Doula, Mentora de Gestante e Bailarina
@oficialnatalima
DRT 353-2006
CRTH-BR 6478
Proprietária do ESPAÇO TATVA

PUBLICIDADE