Pilates para portadores de fibromialgia

Fibromialgia é uma síndrome reumática de etiologia desconhecida, que acomete predominantemente mulheres, caracterizada por dor musculoesquelética difusa e crônica, além de lugares anatômicos específicos dolorosos à palpação, chamados de “tender points”. Frequentemente, estão associados outros sintomas, como a fadiga, distúrbios do sono, rigidez matinal e distúrbios psicológicos, como a ansiedade e depressão. Por vezes, o nível da dor é tão intenso, que interfere no trabalho, nas atividades de vida diária e na qualidade de vida dos pacientes.

O grande número de pacientes que procuram o Ambulatório de Reumatologia, Ortopedia e Fisioterapia com queixas compatíveis com o diagnóstico de fibromialgia justifica o grande interesse que esta síndrome tem despertado. Encontrar alternativas efetivas de tratamento que minimizem o impacto da fibromialgia sobre a qualidade de vida dos pacientes é fundamental para o sistema de saúde.

Tratamento com Pilates para portadores de Fibromialgia

Alguns estudos mostraram que os pacientes com fibromialgia apresentavam maiores níveis de fadiga, esforço e dor induzida pós exercício comparados a indivíduos saudáveis e maior nível de percepção de esforço durante e após o exercício. Uma das principais questões dentro deste contexto que permanece obscura refere-se ao tipo, intensidade e duração de exercícios físicos mais adequados para o tratamento dos pacientes com fibromialgia.

De forma geral, pode-se notar que os exercícios de baixa intensidade como Pilates são os mais eficazes, produzindo diminuição do impacto da fibromialgia na qualidade de vida dos pacientes.

Uma característica importante da Fibromialgia são os distúrbios do sono que estão presentes em mais de 90% dos pacientes. Nas raras ocasiões em que têm uma noite de sono restauradora, alguns relatam melhora nos sintomas de dor e fadiga no dia seguinte. Além disto, o número de pontos dolorosos está relacionado ao sono não reparador.

O Pilates trabalha o corpo como um todo, mas exercita também a mente pois através da consciência corporal desperta-se a atenção plena ao momento presente durante os exercícios promovendo relaxamento tanto físico como mental pós atividade, dessa forma melhora significantemente a qualidade do sono de quem o pratica.

A melhora apresentada nos pacientes que praticam Pilates provavelmente ocorre devido à relação entre o exercício físico que é considerado como uma das melhores intervenções não farmacológicas para melhorar a qualidade do sono. Vários estudos mostram o efeito da prática de exercício sobre o sono, e os resultados mostram que os indivíduos sedentários têm uma pior qualidade do sono do que indivíduos que praticam exercícios regularmente.

Em um estudo Europeu feito em 2016 verificou-se que o mais importante resultado sobre o tratamento com Pilates em pacientes com fibromialgia é que o método Pilates mostrou ser eficaz na redução da dor e na melhora do sono após 15 sessões.

Na maioria das vezes, os pacientes apresentam baixo condicionamento cardiorrespiratório e reduzida força muscular. Como consequência, instala-se um ciclo vicioso, no qual a dor, como resultado do esforço físico, faz com que essas pessoas evitem qualquer exercício, atitude esta que acaba perpetuando os sintomas. A inatividade física leva os pacientes com Fibromialgia a um declínio na função neuromuscular, na resistência muscular, na velocidade de contração dos músculos e na função cardiorrespiratória. Isto interfere no desempenho funcional, que inclui caminhar, subir escadas e outras atividades cotidianas.

Um estudo feito em 2010 na USP para comparar a eficácia dos exercícios de alongamento e fortalecimento na melhora da dor, sintomas e qualidade de vida em pacientes com fibromialgia comparado ao grupo controle concluiu-se que tanto o alongamento quanto fortalecimento teve ganhos significativos após o tratamento e em diversos sintomas da fibromialgia bem como aspectos da qualidade de vida. A comparação entre os grupos mostrou que exercícios como o Pilates são eficientes para a melhora da capacidade funcional, cansaço matinal, rigidez e vitalidade.

Os programas de exercícios físicos promovem os maiores ganhos na diminuição do impacto dos sintomas da fibromialgia na vida dos pacientes. O tipo, a intensidade e a duração desses programas são variados, dificultando a sua comparação. Os exercícios de baixa intensidade, ou aqueles em que o paciente é capaz de identificar o limite de seu esforço e dor, parecem ser os mais efetivos. Dessa forma o Pilates seria uma ótima alternativa nesses pacientes pois os exercícios não produzem impacto e utiliza-se a força do próprio corpo em sua execução.

Os exercícios de alongamento através do Pilates, por sua vez, permitem a recuperação do comprimento muscular funcional, possibilitando alívio de tensões, realinhamento da postura e melhora na amplitude, além de liberdade e consciência de movimento.

Benefícios do Pilates em portadores de fibromialgia

Alívio da dor
Ganho de alongamento e força muscular
Melhora da capacidade motora em atividades de vida diária
Melhora da qualidade do sono
Ganho de equilíbrio e coordenação motora
Melhora da consciência corporal
Melhora da postura e amplitude de movimento
Ganho de resistência muscular
Melhora da qualidade de vida

Conclusão

A fibromialgia vem sendo reconhecida como uma de muitas síndromes de dor crônica com origem no sistema nervoso central (SNC) que são comuns na população geral. Existem evidências de uma predisposição genética para o seu desenvolvimento que, associada com a exposição a fatores ambientais (estressores), inicia a manifestação dos sintomas.

Dentre as formas de treinamento contra resistência, o método Pilates surge como forma de condicionamento físico particularmente interessado em proporcionar bem-estar geral ao indivíduo, sendo assim capaz de proporcionar força, flexibilidade, boa postura, controle, consciência e percepção do movimento.

Evidências científicas revelam que exercícios através do Pilates podem minimizar a dor, a fadiga e a tensão muscular, melhorando níveis de estresse, ansiedade, depressão e a qualidade do sono nos indivíduos portadores de fibromialgia, quando executados de maneira regular e monitorada. Dessa forma torna-se muito importante uma prévia avaliação a esse grupo portador da patologia e a partir daí definir a melhor forma a ser trabalhada através do método Pilates levando sempre em consideração os locais que os pacientes referem dor durante o exercício e as limitações físicas de cada um causadas pela doença.

Sem dúvida o Pilates torna-se cada vez mais uma das melhores atividades a ser praticada tanto em indivíduos saudáveis quanto em indivíduos portadores de determinadas patologias como a Fibromialgia.

Minha recomendação pessoal é que esse grupo em especial pratique Pilates para obter os melhores resultados na melhora da qualidade de vida e execução em atividades de vida diária.

 

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text