funcionalidade do joelho

Pilates na Funcionalidade do Joelho

Certamente muitos instrutores recebem em seus estúdios pessoas com dores ou lesões no joelho, não é mesmo?

Por isso hoje vamos falar sobre esta articulação e os benefícios do Pilates na reabilitação e cuidados com o joelho.

Para entender melhor como ocorrem as patologias no local, vamos ver a anatomia desta articulação.

joelho 1

O joelho é formado pelos ossos fêmur, tíbia, fíbula e patela. Possui componentes passivos: ossos, ligamentos, cartilagem, menisco e bursa; e componentes ativos: músculos e tendões. Ele ainda é responsável pelos movimentos no plano sagital (flexão e extensão) e transversal (rotação medial e lateral) através de músculos biarticulares e uniarticulares.

O principal papel do joelho é gerar estabilidade!

Então para gerar estabilidade devemos apenas fortalecer a musculatura que envolve a articulação do joelho? Talvez.

Em muitos casos, as lesões no joelho podem ser decorrentes da alteração de funcionalidade de outras articulações, como quadril ou tornozelo. Observa-se em muitos casos a fraqueza do músculo glúteo, fraqueza e tensão no músculo psoas e a alteração dos apoios plantares em indivíduos com lesão no joelho.

Devemos ter alguns cuidados em Lesões Específicas. Por exemplo:
Lesões da Cartilagem (Degeneração):

Neste tipo de lesão o cuidado maior deve ser com os ângulos trabalhados. Sabemos que em amplitudes máximas de extensão ou flexão, o joelho exerce maior pressão sobre a cartilagem, por isso exercícios que exijam força no compartimento anterior desta articulação devem ser evitados.

Exercícios em cadeia cinética fechada são bem aceitos por indivíduos com este tipo de lesão, já que este tipo de exercício melhora a congruência articular, auxiliando na lubrificação da articulação e fortalecimento da musculatura promovendo equilíbrio muscular.

Lesões Ligamentares:

Como já sabemos, os ligamentos auxiliam na estabilização da articulação, limitando alguns movimentos. Cada um deles irá definir um tipo específico de movimento, podendo ser de flexão, extensão e rotações. Além dos ligamentos, o conjunto da musculatura também irá realizar um trabalho de estabilização. Então, se temos um ligamento com lesão, o trabalho de fortalecimento muscular se torna extremamente importante, principalmente nos casos onde o indivíduo possui frouxidão ligamentar. Diante destas condições, devemos ter um cuidado importante com as amplitudes finais de movimento, evitando extensões excessivas.

Em indivíduos que não possuem frouxidão ligamentar, o cuidado deve ser o mesmo, uma vez que em amplitudes finais ocorrerá maior estresse mecânico sobre um ligamento ineficaz.

Exercícios de equilíbrio são bem-vindos quando se está em fases mais avançadas, onde o praticante já tenha boa estabilidade desta articulação.

Lesões Meniscais:

Sabendo que o menisco é responsável por absorver impacto, é preciso um trabalho de consciência corporal, fortalecimento e flexibilidade com fins de organização dos MsIs e otimização da musculatura com fins de redução de impacto nesta articulação.

É importante também nestes casos a manutenção do peso corporal.

No entanto, exercícios na prancha de salto devem ser evitados. São indicados exercícios em cadeia cinética fechada, que favoreçam a funcionalidade desta articulação.

Vamos falar sobre exercícios funcionais:

Pensando na funcionalidade dos joelhos, podemos destacar algumas atividades funcionais do dia-a-dia onde ela está envolvida.

Talvez o agachamento seja o principal deles, uma vez que é bastante realizado quando sentamos:

01_agachamento_102-agachamento-2

Já que falamos sobre o agachamento, vamos ressaltar algo muito importante sobre este movimento. Ele é um exercício funcional e fundamental e DEVE SIM ser trabalhado com indivíduos em fase de reabilitação de joelho. É extremamente importante que ele seja trabalhado de forma educativa, orientando como usar seu corpo a favor da articulação do joelho, minimizando forças sobre esta articulação, utilizando o sistema de alavancas do próprio corpo através do posicionamento do tronco, quadril e apoios plantares.

Os cuidados que devemos ter com indivíduos com patologias no joelho são, por exemplo, os ângulos a serem trabalhados. Agachamentos profundos devem ser evitados, assim como as amplitudes máximas; favorecendo ângulos funcionais.

Abaixo podemos observar um exercício clássico do Pilates no Reformer (footwork), onde podemos reproduzir as forças exercidas no agachamento.

14_reformer_2

 

03_agachamento-3

Outra atividade funcional onde o joelho está envolvido é a Deambulação, ou simplesmente, o ato de caminhar.

05_caminhada

Para andar de forma correta é preciso que as articulações trabalhem em sincronia, que se tenha uma boa estabilidade de quadril e joelho, além de mobilidade e firmeza no tornozelo.

Para trabalho destes movimentos, podemos destacar alguns exercícios:

13_reformer_1

Trabalho de estabilidade do quadril, estabilidade de joelho e tornozelo.

04_cadillac

Trabalho de mobilidade do tornozelo.

Como montar uma aula para indivíduos com patologias no joelho:

Independente da patologia, antes de iniciar qualquer protocolo de exercícios é preciso avaliar e identificar a lesão. Depois precisamos identificar quais músculos encontram-se fracos e quais estão “fortes” ou tensos. Então, devendo evitar exercícios ou posicionamentos que evidenciam a dor ou geram maior sobrecarga sobre esta articulação.

Antes de mais nada é preciso assegurar que a articulação possui mobilidade e amplitude completas, caso contrário, podemos incluir exercícios de mobilidade, flexibilidade e técnicas de terapia manual para aumento desta amplitude, e depois introduzir exercícios de fortalecimento.

Sabemos que para ter um corpo forte é preciso trabalhar primeiro o centro, ou seja, a nossa caixa de força, ou power house.

A partir da ativação do power house é possível fazer a organização corporal, ativando a musculatura mais profunda, minimizando forças sobre a musculatura mais externa, possibilitando assim menor carga sobre as articulações.

Ao começar uma aula de Pilates, deve-se promover a organização do corpo, ativando a musculatura mais interna e estabilizadora, seguindo com exercícios de mobilização articular para preparar esta articulação para exercícios mais intensos e integrados.

No caso de iniciar exercícios no mat, preconiza-se que seja utilizado o peso do próprio corpo para ativar o power house e realizar a organização corporal. Importante também utilizar posturas que favoreçam a articulação do joelho, – como decúbito dorsal, lateral, ventral, sentado e em pé – evitando assim que a pessoa fique apoiada nos joelhos. Estas posturas estimulam não somente a ativação do core, mas também trabalham todo o corpo de forma integrada.

Já se o início da aula for feito nos aparelhos de Pilates, recomenda-se a utilização de molas mais leves, com intuito de aquecer membros superiores e inferiores através da ativação do power house e posicionamento adequado das articulações, evitando a utilização de musculaturas desnecessárias.

Ao longo da aula é necessário fortalecer os músculos fracos e alongar os músculos tensos ou encurtados. Mas não esqueça: o foco principal pode estar em melhorar a consciência corporal e posicionar adequadamente as demais articulações, evitando assim a sobrecarga sobre esta articulação doente.

Confira alguns exercícios que promovem a melhora da postura, consciência corporal e organização de membros inferiores:

06_exercicio_107_exercicio_208_exercicio_308_exercicio_4

Após o trabalho de estabilidade e consciência corporal, é possível intensificar os exercícios com foco na integração de movimentos e funcionalidade da articulação do joelho. É neste momento que podemos focar nos exercícios unipodais, já que eles irão exigir maior força e estabilidade da articulação do joelho.

09_exercicio_510_exercicio_611_exercicio_712_exercicio_8

Após ter cessado o quadro álgico e o indivíduo ter recuperado sua funcionalidade, é importante manter alguns cuidados, como dos cuidar os ângulos trabalhados, posturas ajoelhadas, rotação do joelho com o pé no solo e excesso de carga sobre esta articulação.

O Pilates pode ser um grande aliado na reabilitação do joelho além proporcionar um novo estilo de vida!

E aí, Gostou das dicas? Então vamos praticar!

 

Andréia Souza
CREFITO 194412F
Fisioterapeuta, Instrutora de Pilates e Treinamento Funcional no Studio Stylo Beach Pilates em Florianópolis. 

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

One thought on “Pilates na Funcionalidade do Joelho”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>