2015_04_0050-META-IMAGENS-MATERIAS-RP-30-04-Site

Como montar uma boa aula?

Hoje iniciaremos um tema que nossa nova colaboradora Marcela Piston adora! Montagem de aula!

Muita gente acha que dar aulas de Pilates é muito fácil. Mas não é tão simples assim… Um dos objetivos principais do método Pilates contemporâneo é deixar as aulas mais individualizadas, porém as pessoas apenas selecionam exercícios diferentes e pronto; às vezes nem é feito o planejamento dos exercícios e a sequência que será utilizada na aula.

Então vamos pensar em algumas ferramentas que podem auxiliar os instrutores na montagem das aulas:

1º Adotar uma anamnese com dados básicos: Nome, idade, profissão, patologias, medicamentos, cirurgias, dores, experiências de outras atividades físicas… E saber o que o seu cliente veio buscar na sua aula.

2º Adotar uma avaliação postural/funcional: Aqui, o tipo de avaliação vai depender se o instrutor é Educador físico ou Fisioterapeuta. Hoje temos diversos tipos de protocolos e até softwares específicos. Normalmente encontramos dados de desvios na coluna, joelho, quadril, pelve, ombros, cintura escapular e outras estruturas. Você pode optar por uma avaliação mais simples ou uma bem completa.

3º Após avaliar é preciso estabelecer metas! Aqui vamos mesclar o que o nosso cliente deseja e o que ele precisa. Isto é, às vezes o aluno veio com o objetivo de fortalecer o abdome, mas durante a avaliação você percebeu que ele precisa de outras coisas como: aumentar mobilidade da coluna, alongar isquíostibiais… Enfim, este é o momento de planejar metas de curto, médio e longo prazo (a famosa periodização).

4º Após definir os prazos de cada período (macrociclo e mesociclo), vamos definir os temas/focos principais de cada microciclo que pode ser por semana ou por sessão. Lembre-se que o Pilates é um condicionamento físico geral, não existe uma aula de Pilates só para membros superiores, no outro dia só membros inferiores! Sempre iremos trabalhar o corpo como um todo, mas podemos focar um pouquinho mais em alguma coisa, que pode estar ligada às capacidades físicas (força, resistência, agilidade, coordenação motora, flexibilidade…).

5º É hora de selecionar os exercícios! Através dos dados da avaliação e das metas traçadas, iremos escolher os exercícios de acordo com os objetivos, necessidades, e nível de controle motor de cada cliente. Devemos ficar atentos às modificações para facilitar os exercícios, assim como apoios para deixar as posições mais confortáveis e tudo o mais alinhado possível.

6º A aula! Após planejar tudo, vamos à prática! É o momento de mostrar seu lado professor, é hora de ensinar. Podemos utilizar algumas ferramentas para auxiliar no processo de aprendizagem, como: voz de comando, dicas técnicas, dicas visuais (o professor demonstra o exercício, ele é “o modelo”), dicas táteis, correções e elogios. Todas essas ferramentas podem ser utilizadas para facilitar o entendimento do aluno e também deixar a aula mais dinâmica e prazerosa.

Espero que essas dicas ajudem vocês a planejar melhor suas aulas! Até mais!

Profª Esp. Marcela Piston
Full certification Stott Pilates
Coordenadora técnica dos Studios Showa Pilates + Funcional e dos cursos de formação da Pilates Institute

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>