2014_08_0500-META-IMAGENS-MATERIAS-RP-revista-responde-Site

Você pergunta e a Revista responde!

Adivinha qual é a novidade? Uma série nova aqui na Revista Pilates! E olha só, você vai poder enviar sua dúvida e ter ela respondida pela Gerusa Gurak aqui, exclusivamente pra você. Legal, não é? Envie sua perguntinha para contato@revistapilates.com.br que vamos respondê-la com muito carinho, viu?!

Agora conta pra nós como vai ser a nova série, Ge:

‘’ Olá pessoal! Estou muito feliz por estrear esta coluna, através da qual poderei compartilhar um pouco da minha paixão por nosso ofício: o Método Pilates!

A nossa intenção é iniciar uma rodada de perguntas e respostas que ajude os profissionais ou clientes interessados a compreenderem melhor o nosso meio e, quem sabe a partir daí, aprofundarmos juntos nossos conhecimentos.

Será um fórum livre, então vale perguntar sobre tudo: metodologia de trabalho, organização de estúdios, aparelhos, mercado, carreira, novidades… Fui convidada para fazer o que gosto: expor meus pensamentos com relação ao mundo do Pilates, e não faltam ideias de temas que poderemos abordar.

Então, agradeço a oportunidade que a Revista Pilates está abrindo e espero que tenhamos excelentes discussões.

Então, bora responder a primeira pergunta:

‘’ Olá! Sou Mariana da Cunha de São Paulo, estou montando meu estúdio e gostaria de saber a opinião de vocês sobre a aula experimental que os estúdios oferecem, isso é obrigatório?’’

Bom, quantas vezes você já viu esta frase: Marque uma aula experimental gratuita ou faça sua 1ª aula grátis? Provavelmente inúmeras vezes! Muitos estúdios oferecem esta oportunidade a clientes potenciais. Já virou praxe e isso me lembrou uma amiga que foi visitar uma colega da área, em São Paulo.

Na recepção, enquanto aguardava o intervalo da amiga instrutora para dar um oi, foi abordada por uma cliente em potencial que entraria no próximo horário para essa tal “aula grátis”, que perguntou: ‘’ É sua primeira aula de Pilates?’’ Minha amiga respondeu que não. E a moça respondeu: ‘’ A minha também não! Eu nunca me matriculo em nenhum estúdio, existem tantos em São Paulo que acabo pulando de um para outro só fazendo aula experimental!’’.

Péssimo, não? Agora vamos analisar a situação como profissionais da área. Normalmente oferecemos esse atrativo a fim de equiparar-se aos nossos concorrentes e ter uma chance de mostrar o nosso trabalho para possivelmente vender um plano de aulas. Mas por que essa prática permanece depois que muitos instrutores já estão com os horários lotados e já provaram toda sua competência?

Entendo que, se o estúdio aposta nesta vivência como um estratégia de marketing, é porque por um bom tempo muitas pessoas não sabiam exatamente o que era este tipo de exercício físico, praticado em máquinas muito estranhas, que possuem mais cara de instrumento de tortura do que algo agradável.

Mas o cenário mudou consideravelmente. Hoje visitamos cidades com 5000 habitantes e é bem comum encontrar estúdios de Pilates. Já em bairros de São Paulo é possível encontrar um a cada 3, 4 quadras.

Se pensarmos friamente, será que essa concessão é necessária? Se a pessoa vem até você interessada em começar uma atividade, reduzir uma dor ou por recomendação médica, dificilmente ela conseguirá ter certeza que se identificou com o local e seus profissionais somente por uma aula grátis. Às vezes, nem depois de fazer 4, 8 aulas temos a certeza de que aquele espaço ou profissional são os mais indicados para o que se busca.

Você já fez uma consulta médica gratuita para saber se o médico é o ideal para te acompanhar em um tratamento? Fez isto com dentista? Recebeu de um nutricionista sua amostra grátis da dieta? Não! Porque que quando estamos falando de saúde, procuramos informações desses profissionais e iniciamos o tratamento ou, depois de ter pago a 1ª consulta, decidimos se vamos ou não continuar. Mas perceba: pagamos a 1ª consulta.

Hoje o Pilates já está disseminado e deveria ser habitual o cliente pagar pela 1ª aula. Com base nessa experiência, ele poderá decidir por quanto tempo irá se comprometer com você.

O conhecimento adquirido para ministrar aulas de Pilates com competência e comprometimento custou muito caro, você sabe disso! Reavalie o preço do seu conhecimento. Pense nisso e dê sua opinião!

Boa semana, muito Pilates e até a próxima!’’

Ge Gurak é instrutora de Pilates e educadora física, pós-graduada em Atividade Física nos Programas de Saúde e Qualidade de Vida, além de Yoga, área na qual se aperfeiçoou na Índia. Complementou sua formação com um MBA em Gestão de Academias.

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

10 thoughts on “Você pergunta e a Revista responde!”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>