Revista Pilates_Pilates no Reformer.png

O Pilates no Reformer

A base instável do Reformer requer que o aluno tenha uma boa estabilidade de centro para que seja possível trabalhar tanto membros inferiores quanto superiores.

No nível básico, a força, a resistência e o controle neuromotor são construídos para que no nível intermediário a coordenação e o equilíbrio sejam desafiados.

O instrutor de Pilates deve entender como cada aluno pode ser desafiado com segurança e eficiência. Durante o exercício intermediário “Gavião“, por exemplo, o aluno irá trabalhar com mais intensidade a musculatura do core para manter a posição de flexão enquanto faz a rotação torácica.

A programação da aula torna-se mais efetiva quando o instrutor entende o objetivo do aluno e escolhe o exercício mais adequado à necessidade.

A prática de novos movimentos faz com que o instrutor perceba no próprio corpo o grau de dificuldade de cada exercício para fazer a escolha certa para o seu aluno.

Tanto no nível básico quanto no nível intermediário do Reformer, existem vários exercícios que exigem mais força, flexibilidade, equilíbrio e coordenação, se comparado com o Mat. Esse conjunto de exercícios diversifica a aula e intensifica o trabalho muscular, proporcionando um novo estímulo aos alunos.

No mercado, existem alguns cursos específicos de especialização em Reformer. Lembre-se que uma boa formação pode ser um grande diferencial na sua carreira. Portanto, pesquise bastante e invista numa formação de qualidade.

Melina Caleffi
Treinadora Internacional STOTT PILATES 

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

5 thoughts on “O Pilates no Reformer”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>