Pilates e doença de Crohn. Pode?

doenca-de-crohn-revista-pilates

 

Nossos leitores perguntaram e a gente responde: quem tem Doença de Crohn pode fazer Pilates? Pode sim! Trouxemos a palavra de especialistas para tratar do assunto na Revista. Olha só:

A doença de Crohn é uma inflamação crônica que atinge, geralmente, a parte inferior do intestino delgado, mas pode comprometer todo o sistema digestivo. Os sintomas mais comuns são as dores abdominais, diarreia, perda de peso e febre, mas podem variar de acordo com o comportamento emocional e alimentar da pessoa.

De acordo com o coloproctologista do Instituto do Aparelho Digestivo de Brasília, Elias Couto Filho, as causas da doença ainda são pouco conhecidas, mas acredita-se que ela é provocada por células imunológicas que agridem o tecido digestivo. “O quadro clínico pode melhorar ou piorar dependendo de fatores como resistência imunológica, genética, hábitos alimentares e qualidade de vida em geral”, explica.

O estresse e as tensões emocionais também são causas frequentes de inflamações no intestino. De acordo com o cirurgião, essas situações afetam a imunidade e diminuem as nossas defesas naturais a tal ponto que deixam nosso organismo vulnerável e desequilibrado.

Para reduzir os efeitos e sintomas da inflamação, além de seguir as recomendações de medicação e fazer consultas regulares, o paciente precisa beber bastante água e se alimentar bem, seguindo uma dieta nutricional disciplinada.
Elias Filho recomenda tratamento psicológico, para evitar novas crises e, é claro, exercícios físicos! “A atividade física regular estimula a produção da endorfina e dos mecanismos de alerta imunológicos causando bem estar, melhor oxigenação dos tecidos e consequente melhora na resposta de defesa orgânica”, afirma.

Para o especialista, o melhor exercício é aquele que se adapta bem às necessidades do paciente e que gere prazer. Basta que a atividade seja aplicada para que o organismo responda de forma positiva, sem cansaço ou estresse orgânico.

PILATES MELHORA A SAÚDE INTESTINAL

Quem tem doença de Crohn e outras inflamações intestinais pode se sentir melhor com o Pilates. Segundo a fisioterapeuta Zenailde Mendes, proprietária do Zhanni Studio Pilates, em Brasília, o método ajuda a equilibrar o corpo e o emocional, controlando a ansiedade do paciente e aliviando o estresse – fatores de risco da doença.

Além disso, os movimentos do Pilates fortalecem a musculatura que sustenta o abdome, a coluna lombar, o assoalho pélvico e os glúteos. “Esses músculos são responsáveis pela postura, por isso há um alívio de dores nas costas e, consequentemente, melhora da saúde do órgão intestinal”, diz a especialista.

Mas é preciso controlar os exercícios para evitar esforço excessivo e esgotamento, já que esse tipo de aluno tem algumas restrições na hora do exercício físico. Uma das principais dificuldades na fase aguda da doença são as dores abdominais e desconfortos como náuseas, cólicas, diarreia, dor articular e fraqueza muscular.

Por isso, a instrutora recomenda algumas adaptações na aplicação dos exercícios. “O ideal são exercícios que não causem compressão intra-abdominal, que priorizem posturas confortáveis e trabalhem a estabilização do corpo”, destaca.

É preciso fortalecer o assoalho pélvico e a coluna, dando suporte para a parede do abdome. O instrutor deve estar atento à respiração do paciente com inflamação intestinal, para que não faça muita pressão no abdome. “É importante ter cuidado com os decúbitos (posição deitado), para evitar posicionar sobre a bolsa. Preparar aulas individuais para os pacientes em fase aguda ajuda a diminuir sua insegurança intestinal durante os exercícios”, lembra Zenailde.

 

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

2 thoughts on “Pilates e doença de Crohn. Pode?”

  1. Parabéns pela excelente matéria. Tenho crohn o pilates está me ajudando bastante. Principalmente na ansiedade e na dores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>