Pilates na gestação: benefícios para mãe e filho antes e depois do parto

 

 

Por Scheila Cristina Zuconelli

Fisioterapeuta

Imagem: Internet

Houve um tempo em que a gravidez era considerada como sendo o período em que a mulher precisava ter certos cuidados atualmente considerados fora de propósito. Hoje no entanto, a palavra de ordem é gravidez saudável. As recomendações são para que se cultive bons hábitos: alimentação balanceada e exercícios físicos moderados e constantes, que garantam uma melhor qualidade de vida durante e depois da gravidez.

Tendo em vista que além das mudanças hormonais e emocionais que ocorrem na gestação ainda existem alterações posturais, que avançam progressivamente comprometendo músculos, articulações e a coluna vertebral, torna-se de suma importância a prática de atividades que previnam e tratem essas alterações.

Nesse âmbito, toma destaque o método Pilates, que visa fornecer conforto à gravidez e ao parto, com foco no fortalecimento e alongamento suave dos músculos, na estabilidade da musculatura postural e do assoalho pélvico, melhora da concentração, coordenação, equilíbrio e qualidade dos movimentos sem sobrecarregar as articulações, menor risco de parto prematuro e menor duração da fase ativa do parto.

O ganho de força no assoalho pélvico é importante para prevenir possíveis problemas nos intestinos e bexiga. Fornece benefícios como melhora a circulação para a região pélvica, aumento da capacidade de estirar e relaxar durante o parto, aceleração na recuperação e cicatrização, prevenção da incontinência urinária por esforço, maior apoio aos órgãos da pelve e aumento da estabilidade da musculatura postural.

A prática dos exercícios reduz ainda os desconfortos na região cervical, causados pelo aumento das mamas; melhora o equilíbrio do tronco através do fortalecimento dos músculos abdominais, prevenindo desconfortos na região lombar durante os estágios finais da gravidez, e facilita o trabalho de parto normal tanto para a mãe, que tem aumento na produção do hormônio relaxina (que proporciona maior mobilidade às articulações) e melhor controle da respiração induzindo a calma e reduzindo os níveis do cortisol (hormônio do estresse), quanto para o bebê através da maior oferta de oxigênio ao útero.

Além dos fortalecimentos e alongamentos da musculatura central do corpo, são ainda realizados exercícios para membros superiores, a fim de preparar a mãe para segurar seu bebê no colo; e para membros inferiores, visto que há considerável aumento de peso durante a gestação, e conseqüentemente sobrecarga nestes membros.

Os exercícios são individualizados e adaptados conforme cada fase da gestação, indicando-se o início da prática a partir do segundo trimestre. No período pós-parto, tem papel importante na facilitação do retorno mais rápido do abdome, e diminuindo a flacidez muscular e da pele característicos deste período.

Todos estes benefícios são alcançados através de movimentos suaves e rítmicos, que podem ser realizados nos diferentes aparelhos, com auxílio de bolas ou somente usando o peso do próprio corpo e resistência da ação da gravidade.

Mulheres que nunca praticaram outras atividades físicas não devem iniciar a prática através desse método durante a gestação, e somente devem praticar Pilates após liberação de seu ginecologista/obstetra.

 

 

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>