Homens quebram preconceito e aderem ao Pilates

 

Por Jorge Brandão

 

Prática garante força, flexibilidade, equilíbrio e até desempenho sexual.

Numa rua da Vila Olímpia (SP), executivos engravatados caminham a passos largos carregando mochilas. O destino é um endereço discreto na cobertura de um condomínio comercial. Diferente do que se possa imaginar, eles não estão atrasados para os compromissos de trabalho, indo para a malhação em uma academia ou buscando relaxar após o expediente. Lá funciona a sede de uma rede de academias de Pilates – atividade criada há 80 anos pelo alemão Joseph Pilates a partir de fundamentos do yoga, zen e técnicas gregas e romanas. Apesar de ter sido adotada primeiro pelas mulheres, a prática tem se popularizado entre os homens nos últimos anos.

“Os homens adoram pilates e o mercado tem crescido bastante”, conta Tim Fleisher, professor americano do Pilates StudioFit e instrutor internacional da Stott Pilates, centro reconhecido mundialmente. “Nos Estados Unidos por exemplo, a maior parte dos times de esportes profissionais tem estúdios especializados dentro de suas dependências”, diz. Praticado tanto com a ajuda de aparelhos (cadillac, chair, reformer e barril), como no solo com a ajuda de acessórios (mat), o Pilates fortalece os músculos abdominais mais profundos, chamados de ”core” pelos praticantes.

 Foto: Chico Audi/Divulgação

Homens procuram o Pilates por influência de companheiras. 

 

Algumas histórias demonstram que não é preciso ser atleta profissional para aderir ao Pilates. Marcelo Tavano, 35, foi praticante de artes marciais na adolescência e voltou a ter uma atividade física regular há dois anos. “Comecei a caminhar, depois a correr, e senti a necessidade de fortalecer a parte muscular.” Hoje Tavano faz atividades físicas seis vezes por semana. “ A idéia de ficar parado numa sala nunca me estimulou a fazer musculação. Conversando com amigos, soube que Pilates poderia ser mais indicado.” Aluno do Pilates Studio Fit há 10 meses, ele viu os resultados surgirem em pouco tempo e de forma equilibrada. “Depois de dois a três meses tive um desenvolvimento muscular harmônico”, conta o publicitário.

O advogado Gustavo Junqueira, 25, aluno de um estúdio na região da Avenida Paulista, joga futebol de três a quatro vezes por semana e também nunca gostou de academia. Ele destaca o desenvolvimento muscular balanceado como uma das vantagens do Pilates. Praticante há quatro meses, ele já nota melhoras consideráveis em seu condicionamento físico. “Melhorou minha resistência, flexibilidade e postura”, diz.

A prática também ajuda a prevenir lesões. Com a musculatura da barriga e abdome mais alongadas, é possível melhorar o controle do corpo. “Isso é o Pilates: focar no fortalecimento das extremidades e fortalecer o core”, conta Fleisher. O também publicitário Douglas Barbosa viveu “na gandaia” até os 37 anos. Nos últimos 25 anos, porém, ele pratica exercícios físicos regularmente. Mas o Pilates só entrou em sua vida há quatro anos devido a um problema de saúde. “Meu médico recomendou uma atividade mais tranqüila.” Segundo Barbosa, a perda de um pouco da capacidade aeróbica foi compensada por melhoras no equilíbrio, força e bons resultados cardiorrespiratórios. “Me sinto melhor aos 61, do que aos 57”, diz.

Segundo a instrutora Tatiana Kasahara, a maior parte de seus clientes homens descobriu o Pilates ao acompanhar as esposas ou por indicação médica. Ela diz que as principais vantagens são a redução de dores, o fortalecimento estético, a liberação de endorfina (comum a todas as atividades físicas) e até a melhora no sexo. O que Tim Fleisher confirma: “A razão para isso é que nós damos ênfase a um encaixe apropriado da musculatura pélvica. O controle dessa área pode levar a um aumento do prazer sexual.

 

Fonte: Época São Paulo.

 

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>