2014_02_0061-IMAGENS-RP-NOVO-SITE_mantenha-os-pes-no-chao-Site

Mantenha os pés no chão – Pratique Pilates!

O Pilates desenvolveu sua reputação através dos exercícios de fortalecimento dos músculos do abdômen e da coluna, especialmente quando os mundos da terapia física e do fitness uniram-se nos anos 90.

Ao longo do tempo, este foi o foco do Método Pilates. Contudo, desta vez eu gostaria que concentrássemos nossas atenções nos pés.

No Pilates, os pés são muito importantes para determinar a forma como desenvolvemos o corpo. Os pés trazem a mente metáforas significativas para “nos movermos sempre em frente à vida” e, no entanto, em nossos corpos são os últimos a receber atenção. Se cuidarmos de nossos pés, poderemos diminuir os problemas nas costas, a dor nos quadris e nos joelhos, e relaxar nossos pescoços.

Da sola do pé até a coluna

Nossos pés não são apenas sensores pra nos dizer onde e como pisar. Eles também fornecem o equilíbrio para a pélvis, que o transmite até a coluna vertebral. O modo como você “usa” seus pés influencia nos músculos do abdômen, da coluna e do quadril.

O jeito como nós ficamos de pé, ou como movemos os pés, requer linhas diferentes do músculo na perna até a pélvis. O peso corporal da coluna e da pélvis é transmitido através do fêmur e da tíbia. No final da tíbia situa-se o tálus.

O tálus é o único osso do nosso corpo que não tem nenhum ligamento com músculos. Ele se move de acordo com as estruturas ao seu redor. E por que isso é importante? O tálus recebe o peso do corpo através da tíbia, o osso principal de sustentação de peso da perna. A tíbia é curvada sobre o topo do “casco”  do tálus com a fíbula suportando o tálus pelo lado. O peso em seguida, se transfere a partir do tálus, que se propaga para o pé. Dependendo de como estamos nos movendo ou parados, os ossos do pé trocam interna ou externamente. Essas trocas são dinâmicas e, por sua vez mudam toda a estrutura do nosso esqueleto.

O Tálus Neutro

O tálus tem uma posição neutra e que é importante para manter a pelve também neutra. O tálus localiza-se entre a tíbia e o navicular. Se você desenhar uma linha conectando o tálus, o navicular, os três ossos cuneiformes e os três primeiros metatarsos até os dedos, você vai ver o arco medial (interior do pé). O outro lado é constituído do calcâneo, cubóide, o 4 º e 5 metatarsos e os dedos. Este é o arco lateral, ou o pé exterior. O pé interior é onde somos mais estáveis, e o pé exterior espalha o peso e ajuda-nos a ter mais estabilidade. A linha interna do pé é extremamente valiosa para o trabalho de equilíbrio e nos mantermos em pé.

Muitas pessoas, infelizmente, fazem uma pronação ou colapso do arco medial e torcem o arco em direção ao chão, ou até mesmo encostam.

Ao corrigir a posição do tálus você vai ver o corpo se mover para uma posição mais neutra. A pelve neutra em seguida, fornece a posição de equilíbrio que exerce a partir dos músculos abdominais profundos e fortalecer o core.

Corrigindo o Tálus com Pilates

O Pilates é ótimo para trabalhar com os pés, principalmente sobre o Reformer. “Agarrando” a barra com os dedos, o exercício trabalhará também o contraste entre o quadril e a coluna.

Quando as cabeças metatarsais são colocadas na barra com os dedos “enrolados” em torno da barra, o antepé (metatarsos e falanges) fica em um arco de suporte transversal. A maioria das pessoas têm que mover suas pernas para dentro a fim de encostar na barra uniformemente. Mas os ossos da coxa devem estar neutros em um alinhamento com a articulação do quadril. O que quero dizer com o trabalho contrastante dos quadris e da coluna é a espiral dos pés com uma rotação externa do quadril, que cria um padrão de força desde os pés até a pélvis.

Algumas pessoas tem o antepé compensado, seus metatarsos não encostam no chão em um mesmo arco transverso. Os metatarsos e os dedos arqueiam ou inclinam em direção ou longe da linha média. O dedão do pé pode ser maior do que o segundo dedo ou o oposto, quando o tálus está em ponto neutro. Isto ocorre devido à anos andando por aí com o tálus em posição não neutra. Se o aluno tiver essa compensação, ensine-lhes exercícios corretivos que possam melhorar a funcionalidade do pé e por sua vez, mudar a posição pélvica.

Recentemente, um professor local, que assistiu o meu seminário “Da Sola à Coluna”, usou esse conceito de tálus neutro em sua aula de Reformer orientando seus alunos a ficar com o calcanhar centrado e em contato com a barra durante todo o exercício, cientes de quando saíram do centro ou perderam o contato do calcanhar. Após uma aula, um aluno lhe disse que 90% de sua dor no joelho havia desaparecido. Assim, ele descobriu que dando mais atenção aos pés enquanto fazia Pilates não só poderia ajudá-lo a eliminar a dor no joelho, mas também eliminar a tensão lombar, e outros benefícios.

Exercício para os pés

Os movimentos abaixo são executados com o tálus na posição neutra:

Levante ou sente com a coluna neutra e levante os dedos do chão. O peso deve ser distribuído uniformemente entre o dedão, o dedinho do pé e a parte central da “bola” do calcanhar. Mantenha essa posição de contato, e em pé, tente trazer o fêmur para uma posição neutra, sem perder contato com o dedão. Você sentirá os rotadores do quadril ativados. Mantenha por 5 segundos. Baixe os dedos até o chão e mantenha a distribuição de peso igual. A tíbia deve estar na vertical. O objetivo deste exercício é sentir a cúpula do arco plantar, pontos de contacto tri-óssea e a musculatura dos membros inferiores.

Entendendo o poder dos pés, juntamente com as respectivas estruturas estática e dinâmica, ajude seus alunos para que eles sintam a conexão da perna com a pélvis e coluna vertebral. Trazendo a conscientização e mudança de alinhamento de um cliente aumenta os resultados positivos.

Por Madeline Black.

Fonte: http://www.pilates-pro.com/

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>