Efetividade do Pilates no tratamento e pós-tratamento da Estenose Espinhal

Efetividade do Pilates no tratamento e pós-tratamento da Estenose Espinhal

Na medida em que a coluna vertebral envelhece, fica propensa em apresentar degenerações e traumatismos, sobretudo nos discos intervertebrais, cartilagens e ligamentos das articulações. Essas e outras modificações podem conduzir à Estenose Espinhal, doença degenerativa da coluna vertebral caracterizada pelo estreitamento do canal vertebral. Quando esta se dá na coluna cervical ou na dorsal, pode haver compressão medular e/ou radicular; e na região lombar pode ocasionar compressão de raízes da cauda eqüina. Já, quando acontece nos forames intervertebrais pode causar compressão radicular em qualquer altura da coluna vertebral.

A Estenose Espinhal pode ser congênita – indivíduos com acondroplasia, causa idiopática – ou adquirida – por degeneração discal e óssea, e espondilolistese. Pode também ser causada por lesões iatrogênicas, pós traumáticas, metabólicas e/ou tumoral, artrose das faces articulares posteriores da coluna e principalmente por degeneração secundária ao desgaste das estruturas responsáveis pela sustentação e movimentação da coluna vertebral. Tais processos de degeneração podem se iniciar a partir dos 30 anos de idade. Mas, devido à sequelas de traumas, doenças inflamatórias degenerativas ou má formação congênita, o indivíduo pode vir a desenvolver a doença mais jovem. Embora seja parte do envelhecimento, a estenose pode provocar dores nas pernas, nádegas, diminuição da sensibilidade e dificuldade para caminhar.

O tratamento cirúrgico, no geral, só é considerada em último recurso: quando houver deficit neurológico progressivo, insucesso às terapias não-cirúrgicas, se os benefícios potenciais da cirurgia forem maiores que os riscos potenciais e se houver prejuízos consideráveis à qualidade de vida do indivíduo. Os princípios básicos da cirurgia são descompressão da medula espinal e das raízes nervosas, além de estabilização da coluna no local da descompressão.

A maioria dos casos recebem indicação de tratamento clínico. Medicamentos antiinflamatórios não esteróides, relaxantes musculares, somados à manutenção do exercício físico e reabilitação têm efeitos comprovados na fase aguda. Alguns médicos receitam injeções epidurais de esteróides, anti-depressivos e corticosteróides. Tentativas através da acupuntura ou quiropraxia podem ser válidos. Os tratamentos não-cirúrgicos objetivam a controlar e diminuir as inflamações e sintomas.

Independente do tratamento, a orientação e informação ao paciente é fundamental. O PILATES participa em todo o processo do tratamento e manutenção no pós-tratamento de forma muito efetiva. O método atua na orientação, informação, condicionamento físico, postural e mental, promovendo a saúde do corpo e mente.

O aluno desenvolve o auto-conhecimento e consiência corporal, excelentes pilares para a qualidade de vida, principalmente quando se fala em atividades da vida diária. O aluno se condicionará e saberá como manter uma postura correta e ergonômica ao seu dia-a-dia. Além de manter o corpo forte, flexível e estável atuando na prevenção de novas crises. O aluno desenvolve padrões de movimentos mais eficientes em prol da economia de energia para evitar tensões e sobrecarga nas articulações, prevenindo lesões e novas crises.

O PILATES também auxilia no processo de emagrecimento (combinado a outros fatores), importante para diminuir a carga sobre as articulações, sobretudo na região lombar. Durante a fase aguda e dor intensa, o repouso pode ser indicado, porém, mas não é obrigatório e não interfere no resultado.

Fonte: Flexus Pilates

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

2 thoughts on “Efetividade do Pilates no tratamento e pós-tratamento da Estenose Espinhal”

  1. Tenho dores razoavelmente fortes na região das nádegas que descem pela perna direita e agora se transformaram em formigamento. Após exames o médico diagnosticou estenose. Isso tem me preocupado pois ele fala em cirurgia e já estou com 74 anos , 90 kilos e sou hipertensa. .
    Poderia o Pilates me auxiliar pois tenho medo de cirurgia. Grata pela atenção que me dispensarem .
    Marilena

  2. Em caso de estenose lomar, tem algum exercicio do pilates que é contra indicado??? E quais tipos são os melhores? Obrigada

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>