Síndrome do túnel do carpo e a importante intervenção do Pilates

Síndrome do túnel do carpo e a importante intervenção do Pilates

Também conhecida como síndrome do canal cárpico, síndrome do túnel cárpico e síndrome do túnel carpal, a Síndrome do Túnel do Carpo é uma neuropatia caracterizada pela compressão do nervo mediano que passa pelo túnel do carpo.

O túnel do carpo é um canal do punho com aproximadamente 3cm de largura e dá continuidade proximal com a fáscia antebraquial, tecido fibroso onde se fixam alguns músculos. Possui pequenos ossos em seu assoalho – região dorsal – e paredes laterais, além de um ligamento transverso forte e inelástico na parte superior – região ventral. Além do nervo mediano, passam por esse canal nove tendões responsáveis pela flexão dos dedos. Esse nervo mediano vem do antebraço e passa pelo túnel do carpo para então chegar à mão e enervar o polegar, as duas faces do indicador e do dedo médio e a face interna do quarto dedo. Já o quarto e o quinto dedo são enervados pelo nervo ulnar.

Como suas características anatômicas o faz um canal rígido, qualquer aumento de pressão na região interna do mesmo resulta em uma compressão do nervo mediano, gerando a síndrome. As situações que provocam aumento do tecido sinovial dos tendões, sejam elas traumáticas (incluso traumas cumulativos relacionados à esforços repetitivos), inflamatórias, tumorais ou medicamentosas, também elevam a pressão do canal, comprimindo o nervo e o aparecimento de diversos sintomas.

Os sintomas normalmente aparecem à noite devido à retenção de líquido comum nesse período. Incluem alterações na sensibilidade, dormência, formigamento, choques e ardência nos dedos, especialmente no polegar, dedo médio, indicador e na face interna do dedo anular; e dificuldade de agarrar ou cerrar o punho, ou largar objetos. A dor pode ocorrer no início da síndrome devido à compressão abrupta do nervo mediano. Eventualmente, os sintomas se estendem a todo o o membro superior – mão, braço e antebraço. Assim, é possível que as atividades da vida diária (AVD) sejam comprometidas.

A compressão do túnel carpal pode ser resultante de vários fatores, tais como: deslocamento anterior do osso semilunar, intumescência secundária a fratura de Colles (fratura de extremidade distal do rádio), sinovites secundárias a artrite reumatóide ou devidas a qualquer outra causa capaz de provocar edema devido a traumas que acometam o punho, como entorses, e uma grande variedade de doenças sistêmicas, como o mixedema e a doença de Paget.
Outro fator que pode causar a síndrome são os movimentos manuais frequentes que podem causar lesões por esforços repetitivos (LER), geralmente relacionado ao trabalho ou AVD´s, fundamentalmente, os movimentos de flexo-extensão do punho que acabam por gerar trito dos tendões. Embora não exista uma causa comprovada, as alterações hormonais – como por exemplo alterações na tireóide, período da menopausa e gravidez – também podem interferir na pressão interna do túnel formado pelos ossos e o ligamento da mão. Acredita-se que no tecido sinovial existam receptores para o estrógeno. Nível normal desse hormônio impede que o esse tecido prolifere. No entanto, à medida que a produção do hormônio vai caindo, os receptores ficam livres, o tecido sinovial começa a crescer e, conseqüentemente, a aumentar a pressão dentro do túnel do carpo. Nas gestantes, o edema característico também pode contribuir com os sintomas, porém, após o parto há grande probabilidade de desaparecerem os sintomas.

Outras doenças associadas são diabetes mellitus, artrite reumatóide, doenças da tireóide e causas desconhecidas. É importante dizer que não é só a alteração do hormônio sexual feminino que produz a compressão no nervo mediano. Alterações dos hormônios da tireóide e de doenças como diabetes também produzem uma neuropatia compressiva.

No caso dos diabéticos, são mais suscetíveis a desenvolver a síndrome por causa da alteração do tecido sinovial e também pelo fato de o nervo mediano apresentar características secundárias devido à glicemia elevada.

Para o tratamento, é importante identificar o grau em que se encontra a síndrome: leve, moderado e grave. Se for leve, indica-se a imobilização por aproximadamente 1 mês, através de tala ou órtese, deixando o punho em posição de extensão para minimizar a pressão nos nervos; além de associar um antiinflamatório via oral. Caso seja ineficaz, o médico pode indicar a aplicação de cortisona no canal a fim de amenizar a reação de proliferação do tecido sinovial que comprime o nervo. Porém, não está isenta de complicações e por isso é preciso de muito critério. Se o tratamento clínico não resolver, é possível o médico indicar a cirurgia, a qual anulará os sintomas. A recidiva só ocorre quando a proliferação sinovial é originada de outra doença anterior que continua sem tratamento adequado.

O tratamento fisioterápico em muitos casos também se torna essencial. A princípio, a diminuição do edema gerado pela inflamação que aumenta a pressão do canal é o alvo principal. Para tal, costuma-se utilizar o ultra-som associados a manipulações da região acometida. Após esse estágio, o PILATES se apresenta de forma importantíssima e eficiente para a orientação e informação às AVD´s e laborais, prevenção de recidiva, manutenção do quadro, além de promover a saúde e bem estar físico e mental.

O FLEXUS PILATES se dedica em orientar, informar e educar os alunos quanto à realização das AVD´s de forma correta e saudável, além dos exercícios em aula de forma segura e eficiente, privilegiando a biomecânica funcional do corpo e do movimento. Neste caso específico da síndrome, os exercícios de alongamento dos flexores dos dedos e do punho além da mobilização das articulações, por exemplo, são focados nas aulas para melhorar a função e aumentar a formação de líquido sinovial auxiliando para uma melhor lubrificação dos tendões, bainhas e fáscias adjacentes (evitando a inflamação). Em todas as aulas, exercícios diferentes e simples também são ensinados e recomendados para a prática em casa.

E através de um acompanhamento minuncioso a cada aula dedicado a cada aluno, temos a possibilidade de colher resultados mais concretos não somente no objetivo principal – estabilização dos sintomas da síndrome – mas também de outros objetivos inerentes, como por exemplo: combater o estresse e sedentarismo, estética, saúde e bem-estar, performance, condicionamento físico, amenizar outras dores existentes, estabilizar outros problemas, etc.

A maioria dos alunos se recuperam totalmente e podem evitar novos danos ao mudar a forma com que realizam os movimentos repetitivos. Muitas das atuais pesquisas sobre Síndrome do Túnel do Carpo buscam a prevenção e a reabilitação.

Mas, antes de qualquer coisa, procurem um médico especialista.

Fonte: http://ow.ly/VzTs

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text