Pilates é alongamento?

Pilates é alongamento?  

Muitas vezes pessoas curiosas a respeito do Pilates me perguntam se a técnica se refere a exercícios de alongamento. Essa dúvida me deixa contente, afinal, as pessoas vêem o alongamento como algo positivo.

Elas associam sua situação de rigidez – “Eu sou muito duro!”- diretamente a falta desta capacidade muscular.

Abdallah Achour Jr. Em seu livro Alongamento e Flexibilidade nos fala o seguinte: Não se importe com a conquista de flexibilidade, mas sim com a melhoria na capacidade de movimento.
E, quando falamos em praticar Pilates, estamos falando, justamente, em capacidade e organização de movimento.

De maneira geral não utilizamos o alongamento estático – ou seja, manter o aluno numa posição em que se tenha o afastamento das origens de um determinado músculo ou grupo muscular por um tempo determinado até que haja uma resposta plástica da musculatura.

Até é possível no nosso ambiente, assim como no da Musculação, Ginásticas, Natação, etc; propor, em determinados casos, se o professor achar conveniente, um momento deste tipo.
Mas não é esse o objetivo e nem umestratégia usual da aula de Pilates.

Nosso trabalho consiste em oferecer situações de alongamento dinâmico, feitos com leveza, dentro da amplitude fisiológica, considerados funcionais nos movimentos diários.  Nesse caso a intenção não é atingir os componentes plásticos do músculo para aumentar a flexibilidade, mas sim os componentes elásticos, garantindo a funcionalidade na amplitude dos movimentos.

Quando uma articulação tem seu arco de movimento limitado, começam a haver compensações. Por exemplo, se houver restrição na flexão do ombro, um indivíduo poderá ter em atividades como se pentear ou tomar banho, aumentada a concavidade na coluna lombar.

Importante ressaltar que o maior número de lesões ocorre nos extremos das amplitudes de movimento. Desta forma, quanto menor a amplitude, mais próximos estaremos, a cada gesto, dessa zona de lesão e, de forma inversa, quanto maior nossa amplitude articular dentro de uma zona fisiológica saudável, menos expostos estaremos a uma lesão.

Outro fator a se considerar é que existe necessidade de carga na cápsula articular para que as propriedades bioquímicas e mecânicas do colágeno se mantenham saudáveis. Caso contrário haverá uma rápida deterioração da articulação que ficará mais suscetível a lesões.

Novamente o ambiente de Pilates entra como forte aliado na melhoria e manutenção da capacidade dos movimentos. Existe uma série de exercícios que associam a amplitude articular fisiológica com descarga de peso.

Autor: Silvia Gomes, educadora física especialista em Biomecânica e instrutora de Pilates

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

5 thoughts on “Pilates é alongamento?”

  1. Sou portadora de Esclerose Múltipla, estou ligeiramente incapacitada mas, consigo executar os exercícios propostos pela minha instrutora, gostaria de obter mais informações sobre esta técnica, se será útil no controle e reabilitação das sequelas da minha infermidade pois, conheci recentemente o Pilates e tenho muitas dúvidas, os Srs. (as) poderiam me ajudar?
    Desde já agradeço.

  2. ”Tenho 43 anos e procurei a minha fisioterapeuta devido a um problema de incontinência urinária, e avaliando meus exames, ela pediu um prazo de dois meses para tentar resolver meu problema, caso contrário, teria que fazer fisioterapia em clínicas específicas. Graças a Deus curei-me, e agora estou me sentindo tão bem, mas tão bem física e mentalmente, que não quero mais parar de fazer Pilates.”

  3. ”Tenho 43 anos e procurei a minha fisioterapeuta devido a um problema de saúde, e avaliando meus exames, ela pediu um prazo de dois meses para tentar resolver meu problema, caso contrário, teria que fazer fisioterapia em clínicas específicas. Graças a Deus curei-me, e agora estou me sentindo tão bem, mas tão bem física e mentalmente, que não quero mais parar de fazer Pilates.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>