Pilates: footwork no Reformer

Pilates: footwork no Reformer

Vamos falar de um exercício muito conhecido e utilizado no ambiente de Pilates: o foot work no Reformer.

Quando o aluno inicia suas aulas muitas vezes a primeira opção do professor para trabalhar MMII é colocá-lo na Reformer. E esta é uma boa opção: o aluno está deitado com um grande toque proprioceptivo que é o apoio de toda as costas no carrinho.

Está num ambiente estranho (não é comum que trabalhemos movimentos de perna deitados), o que facilita correções de alinhamento.

O apoio da coluna também garante uma gostosa descarga de peso, o que é um alívio para os discos intervertebrais que costumam estar recebendo carga com a coluna em posição vertical durante todo o dia (quando estamos sentados ou em pé).

A coluna deve estar completamente neutra, pois não existem alavancas de pernas suspensas e estamos deitados: apoio no crânio, torácica e sacro, presença das lordoses lombar e cervical com alongamento axial garantido!

Posição inicial quase definida: como colocar os pés do aluno na barra?

Vamos considerar que temos duas opções: calcanhar e metatarso. Estamos falando dos pés e não dos quadris. Em relação aos últimos podemos estar em paralelo, com pés unidos ou em V de Pilates, numa grande rotação externa, variar a vontade.

Mas, e os pés?

Pensemos primeiro: qual posição é mais fácil?  Experimente ficar de pé e descarregar seu peso mais para trás, sobre o calcâneo.   Agora faça o contrário, vá para frente e tire um pouco os calcanhares do solo.

O que te desafia mais? Considerando um aluno novato, é interessante iniciar com um desafio menor.

Vamos apoiar os pés no calcâneo e variar  as posições do quadril (rotação, paralelo, etc).

O aluno já terá bastante para pensar e sentir: articulação dos quadris, fêmur deslizando no acetábulo como se estivesse cheio de óleo, coluna neutra recebendo a carga de compressão pelas pernas e ombros. Respiração, assoalho pélvico…

Posteriormente, com esses elementos  já organizados de maneira mais fácil e natural, passamos para os metatarsos. Uma nova articulação a ser estabilizada.

Atenção: arco de pé não é local de descarga de peso, por isso é um arco. Observe a sola de seu pé como a região do arco é em geral branquinha e não toca o solo.

Outro elemento importante: quando descarregar o peso no metatarso, estimule seu aluno a manter o calcanhar um pouco mais elevado com uma pequena extensão da articulação do tornozelo ou, pelo menos, a mesma altura entre calcanhar e metatarso, como se estivesse em pé.

Não adianta colocar o apoio no metatarso e afundar o pé fazendo flexão e extensão de joelho com o tornozelo em flexão. Você deixa de desafiar o aluno a manter a estabilização do tornozelo e acaba fazendo um trabalho pendurado nos tendões.Isso não interessa.

Lembre-se: faça o que quiser desde que esteja com um objetivo definido.

Autor: Silvia Gomes, educadora física especialista em Biomecânica e instrutora de Pilates

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>