Pilates com a bola: trabalhar a mente com atenção e o corpo com inteligência

Pilates com a bola: trabalhar a mente com atenção e o corpo com inteligência  

Os benefícios do Pilates, associados aos exercícios com a bola tornam a aula ainda mais divertida, revigorante e com resultados rápidos e aparentes. A maioria das pessoas percebe mudanças poucas semanas após o início da prática de Pilates, sendo que, após as 10 primeiras aulas, o praticante sente que o corpo mudou; após 20 aulas, que as mudanças são visíveis; após 30, as demais pessoas começam a notar as mudanças.

Atualmente o Método Pilates não é usado apenas para fins de reabilitação, mas também como atividade física, pois modela o corpo e melhora o condicionamento físico. O Método Pilates traz inúmeras vantagens, principalmente para aquelas pessoas que estão cansadas das tradicionais ginásticas de academia. Os resultados de emagrecimento e queima calórica são expressivos (queima-se por aula cerca de 300 calorias).

Os benefícios do Método Pilates incluem: aumento da resistência física e mental; alongamento e maior controle corporal; maior fluência e liberdade de movimentos; correção postural; aumento da flexibilidade, tônus e força muscular; alívio das tensões, estresse e dores crônicas; prevenção de lesões; melhora da coordenação motora e do equilíbrio global; maior mobilidade das articulações; estimulação do sistema circulatório e oxigenação do sangue; fortalecimento dos órgãos internos; aumento da concentração; trabalha a respiração; promove relaxamento, aumento de vigor e disposição; melhora a qualidade do sono, a auto-estima e influencia favoravelmente o humor.

A Bola Suíça ou Fitball foi desenvolvida nos anos 70 na Suíça com o intuito de ser um método para reabilitação de problemas posturais, principalmente da coluna, e problemas neurológicos. Feita de borracha ultra resistente e inflável, pode suportar até 300 a 400 kg. Este acessório permite realizar uma solicitação da musculatura de estabilização, pois como é esférica e insuflada, provoca instabilidade.

São recomendas duas ou três sessões por semana de aula, com duração de uma hora a uma hora e meia cada, com uso de uma bola proporcional à altura de quem pratica o exercício.  Essas sessões podem ser individuais ou em grupos pequenos. Uma aula de uma hora, com, no máximo, 4 alunos por professor, sendo possível dar atenção individual, fazer um trabalho bem personalizado, conhecer cada um e saber dos seus limites e metas a serem alcançadas.

Os exercícios são feitos em poucas repetições (geralmente 3, 5, 8 ou 10), em uma única série, com muitos trabalhos concêntricos e excêntricos executados pelo aluno nunca passivamente. Ao invés de se repetir muitas vezes cada exercício é preferível exercitar-se com mais eficiência e com menos repetições, exigindo do praticante um controle adequado de seu corpo. O que importa é a qualidade e não a quantidade das repetições. O praticante deve estar atento para coordenar o controle da respiração (que deve ser profunda e acompanhar o ritmo do movimento), do alinhamento postural, da contração do abdômem e da execução do movimento (que deve ser leve, contínuo e harmônico).

O método é formado por um conjunto de exercícios que podem ser praticados no chão, com ou sem auxílio de acessórios, sendo que a maior parte dos movimentos é realizada na posição deitada, por isso é um método conhecido por não causar impacto nas articulações ou órgãos internos. Entre os acessórios que integram a sessão estão, além de bolas com tamanhos variados, tubos e elásticos com diferentes resistências, chamados thera-bands. O alemão Joseph Pilates adotou os halteres para intensificar o trabalho feito em solo, também conhecido por Mat Pilates.

Este método de condicionamento corporal promove harmonia e balanço muscular para todas as idades, condicionando e energizando o corpo através dos exercícios que podem ser realizados, mediante avaliação física prévia, por qualquer indivíduo.

Não há restrições de idade e níveis de condicionamento físico. Porém, pacientes inseguros, com muitas dores, alterações do equilíbrio grave, limitações clínico-cirúrgicas, entre outros casos, devem ser analisadas antes do inicio da prática. Há certos cuidados, por exemplo, a serem tomados com gestantes, pacientes idosos, convulsivos ou pessoas que possuam patologias cardiovasculares instáveis, mas nada impede a pratica dos exercícios .

A prática do Método Pilates com a Bola Suíça ou Fitball garante a melhoria de todas as capacidades e habilidades físicas, destacando-se ainda na recuperação de um amplo espectro de problemas, limitações físicas e desequilíbrios posturais, levando a um funcionamento harmonioso do corpo como uma unidade. Desta forma, este método pode ser usado por Fisioterapeutas para complementação de programas de treinamento para obtenção da saúde e boa forma física, uma vez que é capaz de promover o fortalecimento global, melhora da flexibilidade e controle corporal, de forma simultânea.

Fonte: Mariana Coelho Mazzaro, fisioterapeuta.

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

4 thoughts on “Pilates com a bola: trabalhar a mente com atenção e o corpo com inteligência”

  1. Parabéns para a autora. Gostei muito da matéria.
    Um abraço.
    Laís.

  2. a matéria é mto boa, mas eu gostaria de saber se o trabalho com bolas grandes é o principal trabalho como caracteristica do pilates, ou se o trabalha c as bolas pqnas e os elásticos são mais um trabalhos complementar no pilates?? pergunto o pilates onde faço se trabalha com a bola grande uma vez da da semana, já q as aulas são so duas vezes na semana.
    abç

  3. Obrigada pela mensagem Laís !!!
    Boa tarde Gilnely, os exercícios do Pilates podem ser realizados utilizando-se acessórios, um deles é a bola, podendo variar o tamanho de acordo com a posição do exercício ou a altura o praticante. Os princípios do método são os mesmos, porém a metodologia de trabalho varia de acordo com a formação do profissional.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>