Rolo (foam roller): dos estúdios de Pilates para as academias.

Rolo (foam roller): dos estúdios de Pilates para as academias.  

Um colchonete e um rolo de espuma de alta densidade resumem uma nova forma de executar as posturas inspiradas na técnica de Pilates, que chegou há pouco tempo ao Brasil: Pilates com rolo. A proposta é adaptar os exercícios que foram desenvolvidos por Joseph Pilates nos tradicionais aparelhos para outro acessório, como já é comum com a bola suíça, por exemplo.

Para Alessandra Dianin, professora de Pilates da academia Bio Ritmo, em São Paulo, o rolo ajuda o aluno a manter a consciência do corpo durante todos os exercícios, já que, se o tronco ficar torto, dificilmente será possível se manter equilibrado sobre o acessório. “Também é possível trabalhar com todos os níveis de dificuldade em uma mesma aula”, acrescenta.

Ela diz acreditar, no entanto, que variar os aparelhos durante a execução da técnica é melhor do que uma aula inteira com o mesmo acessório. O problema, diz, é monitorar de forma eficiente os alunos. “Em uma aula com mais pessoas, não dá para ter controle. Se usamos somente um aparelho, podemos ter mais alunos, porque consigo observar todos eles.”

Rolo (foam roller): dos estúdios de Pilates para as academias.  

Foi o que constatou o analista de sistemas Carlos Eduardo Bitencourt, 36, que pratica Pilates há seis meses e aderiu à técnica com rolo há um. Como pratica corrida seis vezes por semana, buscou uma atividade que o ajudasse a alongar mais a musculatura e a treinar o balanceamento corporal, como complemento ao esporte. “O rolo trabalha mais com o equilíbrio, a todo momento você pensa que pode cair. Também mostra a postura que devo atingir, pois, se faço os movimentos de maneira errada, meu corpo dói”, diz o atleta, que pratica Pilates duas vezes por semana.
 
As aulas duram, em média, uma hora e são formadas por séries de poucas repetições -no máximo dez por tipo de exercício. Além disso, o instrutor pede ao aluno que execute os movimentos lentamente. “Tudo isso é feito para que o praticante mantenha controle dos exercícios e da postura. Quando o controle é maior, o trabalho é mais intenso”, afirma Dianin.

Rolo (foam roller): dos estúdios de Pilates para as academias.  

Porém, o importante é saber diferenciar bem uma prática da outra. O fato de usar um acessório desenvolvido para o Pilates, não faz da ginástica com o mesmo acessório ser Pilates. É importante ressaltar os riscos para quem tem dor lombar, problemas nos ombros e sobrepeso. Essas pessoas podem sofrer lesões durante a prática de exercícios no rolo se não tiverem bom domínio do próprio corpo.

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

One thought on “Rolo (foam roller): dos estúdios de Pilates para as academias.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>