Especialista comenta método desenvolvido pelo alemão Joseph Pilates

Em entrevista exclusiva a DW-WORLD.DE, a presidente da Federação Alemã de Pilates (DPV), Verena Geweniger, comenta o treinamento profissional de professores de Pilates na Alemanha e os perigos de uma má formação.

Especialista comenta método desenvolvido pelo alemão Joseph Pilates 

O método de treinamento desenvolvido pelo alemão Joseph Hubertus Pilates, no início do século passado, conquistou o mundo das personalidades e das academias de ginástica. Quais suas vantagens e riscos? O que pode ser feito para garantir a boa formação de treinadores? Quais são os perigos de uma má orientação?

DW-WORLD.DE entrevistou a presidente da Federação Alemã de Pilates, Verena Geweniger.

O que é o método de treinamento Pilates e quem o inventou?

Verena Geweniger: O método de treinamento Pilates, desenvolvido no início do século 20 pelo alemão Joseph Pilates (1883–1967), pode ser definido como um conceito de treinamento que trabalha o corpo de forma integral através de exercícios no solo e em equipamentos especiais.

Quais são os objetivos da Federação Alemã de Pilates (DPV)?

Nossa meta é estabelecer fundamentos e diretivas para uma formação eficiente e qualificada de professores de Pilates na Alemanha, como também divulgá-los entre o grande público.

Para tal, a federação procura: a) prestar uma contribuição para uma melhor qualidade dos cursos e b) sensibilizar a opinião pública para as diferenças qualitativas nas ofertas de cursos disponíveis.

Como se formam e se aperfeiçoam os professores de Pilates no DPV?

Os institutos da federação oferecem, em princípio, o completo e extenso repertório dos exercícios de Pilates, ou seja, o programa de solo (colchonete) e o programa de aparelhos. A formação compreende cursos de anatomia, a comprovação de numerosas aulas de treinamento pessoal e um considerável volume de horas de residência. No final, seguem-se as provas escrita, oral e prática.

Como o programa é muito extenso e como também existem diferentes estilos no Pilates moderno (como na ioga), é possível oferecer uma infinidade de cursos de aperfeiçoamento somente com aquilo que temos como repertório básico. Mas também admitimos pessoas com cursos de aperfeiçoamento em outras áreas (como Feldenkrais ou Dinâmica da Espiral), que enriquecem nossos cursos.

Qualquer pessoa pode fazer aula de Pilates? Existem riscos para a saúde dos participantes?

Riscos existem através de professores mal formados e de freqüentadores de cursos ambiciosos que não querem aceitar seus limites, que exigem muito de si, que querem tudo muito rápido. Nós professores temos que contrabalancear o fato de, por um lado, convencer os mais preguiçosos da necessidade de um treino equilibrado e, por outro, frear outros que, definitivamente, exigem demais de seu corpo.

Qualquer pessoa pode fazer aula de Pilates se estiver disposta a acompanhar mentalmente, a concentrar-se e controlar-se (Pilates chamava seu método de “Contrology”!), pois principalmente no acompanhamento individual (por exemplo, na área de reabilitação), o sistema pode ser adaptado ao cliente.

Como se reconhece um bom treinamento de Pilates?

Através dos conhecimentos profissionais e da competência dos professores. Como é difícil para o leigo fazer um julgamento, a federação pretende, neste ponto, funcionar como órgão de ajuda.

Especialista comenta método desenvolvido pelo alemão Joseph Pilates  

Quantos participantes um curso de Pilates pode ter?

“Pode” não existe. A pergunta é antes que tamanho de grupo seria mais razoável, que objetivos eu sigo como treinador, que objetivos eu sigo como aluno! Quanto mais inexperiente um grupo for, menor ele deveria ser. Isto vale especialmente para o treinamento em aparelhos. Acho que aqui um curso acima de dez participantes não é mais justificável. Os aparelhos são um desafio bastante especial para os alunos e requerem treinadores experientes e atentos para evitar contusões.

Quando toma algumas aulas particulares no início, o aluno vai muito mais rápido ao ponto. Assim, o treinador pode intervir de forma mais corretiva, evitando erros difíceis de ser corrigidos.

Participantes experientes, com anos de prática em Pilates, podem ser colocados em grupos maiores. Em jornadas, é um prazer vivenciar um aula com 50 treinadores ou mais – uma aula em “Flow” – como Pilates exigia.

“Depois de dez aulas, o aluno se sente melhor. Após 20, ele tem melhor aparência. E depois de 30, ele tem um novo corpo.” A frase atribuída a Joseph Hubertus Pilates é verdadeira?

Desta frase, eu não gosto. Ela leva a expectativas exageradas por parte dos alunos, e também à frustração. A rapidez com que alguém pode notar mudanças em seu corpo depende dos genes e também de quanta “preparação” corporal eu trago comigo, como também com que disciplina eu pratico os exercícios.

De forma geral, pode-se dizer que o treinamento é bastante eficaz e que sinto sempre de forma bastante clara no meu corpo, quando tive – por causa das aulas – muito pouco tempo para meu próprio treinamento.

Verena Geweniger é formada em Esporte pela Universidade Técnica de Darmstadt e tem formação profissional de Pilates na Alemanha, Inglaterra e EUA. Desde abril de 2006, ela exerce a presidência da Federação Alemã de Pilates (DPV).

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text

One thought on “Especialista comenta método desenvolvido pelo alemão Joseph Pilates”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>