Pilates vai à escola

familia64_1  

Rolando como bola, fazendo serrote ou imitando sereia, as crianças começam a se divertir e a melhorar a postura com o Pilates. O método, consagrado no mundo adulto em vários países, agora conquista os pequenos e está sendo levado para as escolas também no Brasil.

Postura incorreta, dores nas costas e nos ombros. Problemas de adultos e também de crianças, que precisam carregar alguns quilos nas mochilas escolares e em casa passam horas sentadas assistindo a TV ou jogando games. Na busca de uma solução eficaz e natural, os pais têm lançado mão de uma prática corporal muito conhecida, principalmente entre as mulheres: o Pilates.

A indicação do Pilates para crianças ganhou força nos Estados Unidos em 2006, a partir de uma campanha – desenvolvida por profissionais e instituições – para a divulgação e introdução do método nas escolas públicas americanas, nas quais o tempo para a prática de educação física havia sido reduzido na grade escolar.

Movimento a favor do corpo
Tudo começou nos consultórios médicos norte-americanos: cada vez mais os pais de crianças com obesidade, hipertensão, diabetes 2, dores no corpo e desvios de postura recebiam orientação médica sobre a importância de os filhos manterem alguma atividade física. Pelo seu caráter lúdico, o Pilates começou a ser apontado como uma opção tanto para o equilíbrio do corpo quanto disciplinar da criança. A campanha passou a ser divulgada via internet ao mundo todo para ampliar o conhecimento da técnica e seus benefícios para o desenvolvimento infantil. O projeto, conhecido por Pilates nas Escolas, que ainda está sendo implementado nos EUA, foi criado pelo Pilates Method Alliance (PMA).

Gato, macaco… parece brincadeira!
Sob orientação específica, os exercícios sugeridos são ‘rolando como bola’, ‘quadrúpede’, ‘serrote’ e ‘sereia’. Os professores da instituição receberão treinamento na própria escola.

Como o próprio criador do método, Joseph Pilates, inspirou-se nas posturas e nos movimentos dos animais, os exercícios como o cat (gato) o monkey (macaco) podem ser usados para atrair a atenção do público mirim.

A família agradece
No Rio de Janeiro, a Clínica de Pilates Postura Vital resolveu oferecer o método para os pequenos, para prevenir futuros problemas de coluna, cada vez mais comuns em jovens e adultos. “Nossas fisioterapeutas viram a necessidade de trabalhar a postura desde a infância e as aulas foram iniciadas este ano na clínica para a garotada de sete a 14 anos”, afirma a fisioterapeuta Cristiane Pinto. As turmas foram divididas em duas, por faixa etária, de sete a dez e de 11 a 14 anos.

Com no máximo quatro alunos por grupo, os exercícios são os mesmos dos adultos, mas com adaptações para a idade dos participantes. “As atividades no solo são as mais realizadas, pois usam bolas, bastões e faixas, criando uma maior interação com as crianças”, diz a fisioterapeuta. Tudo é acompanhado por música para alegrar a garotada. O método para crianças é focado na mobilidade do corpo e principalmente na postura, trabalhando um grupo muscular por vez, para não sobrecarregar a musculatura.

No final do ano passado, a revista norte-americana Wellness publicou um artigo sobre a importância da prática do Pilates pelas crianças, ressaltando os benefícios para desenvolver flexibilidade, força, tônus muscular e disciplina nos esportes. A reportagem ainda destaca que o Pilates é um dos poucos métodos que possibilitam a realização do exercício em família.

RESPEITO ÀS FASES DO CRESCIMENTO
Segundo os ensinamentos originais de Joseph Pilates, o trabalho com crianças deve começar por volta dos 12 anos de idade, por acreditar que antes desta idade as crianças ainda não tem maturidade para entender e se concentrar na metodologia aplicada.

Texto retirado do site Viva Saúde.

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Cursos de Pilates Brasil

One thought on “Pilates vai à escola”

  1. Ola gostei da pratica nas escolas, aqui no Brasil onde obtenho mais informacoes, tem ser vinculado a que orgao para aplicar nas escolas, moro em BLumenau SC, desde ja agradeco,
    Ivana Lemos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>