Pilates pode ajudar a tratar incontinência urinária

O assunto ainda é tabu e não é fácil assumir o problema. Necessidade de ir ao banheiro imediatamente, perda de urina durante o sono ou depois de algum esforço como tossir ou pegar peso, não perceber que a bexiga está cheia são situações mais comuns do que se imagina, experimentadas por 15% a 30% das pessoas acima de 60 anos.

Além de remédios e intervenções cirúrgicas convencionais, o pilates pode ser uma alternativa de tratamento e prevenção à incontinência urinária ao trabalhar e fortalecer a musculatura pélvica o que favorece um maior controle sobre o fluxo de urina.

Embora atinja todas as idades e ambos os sexos, as mulheres estão mais suscetíveis à doença, apresentando uma probabilidade duas vezes maior de desenvolvê-la. Entre pessoas acima de 70 anos, 50% das mulheres já tiveram episódios de incontinência. A musculatura mais forte, a uretra mais longa e a presença da próstata contribuem para os índices mais baixos entre os homens.

fonte: medicinageriatrica.com.br

Os alunos do método Pilates têm a chance de, na aula, trabalhar mais as regiões do abdômen e pélvica, especialmente o períneo (área entre o ânus e a uretra).
Pode-se ter excelentes resultados quando se utilizam exercícios específicos para a musculatura do assoalho pélvico, adquirindo maior controle da urina. Essa musculatura tem um grande enfoque dentro do pilates, junto com a musculatura profunda do abdômen e o diafragma, formando nosso centro de força e estabilidade.

CADASTRE-SE

PUBLICIDADE

Alternative text